Guatemala prende jornalista que publicou denúncias sobre presidente

CIDADE DA GUATEMALA, GUATEMALA (FOLHAPRESS) - A polícia da Guatemala prendeu o jornalista José Rubén Zamora, presidente do jornal "El Periódico", que denunciou supostos atos de corrupção envolvendo o presidente Alejandro Giammattei e a procuradora-geral do país, Consuelo Porras.

Zamora foi detido na sexta-feira (29) em sua residência no sul da Cidade da Guatemala no âmbito de uma investigação sobre lavagem de dinheiro. A sede do jornal também foi invadida, em uma operação que o veículo atribuiu a uma retaliação por suas publicações.

Segundo Rafael Curruchiche, chefe da Promotoria Especial Contra a Impunidade (Feci) do Ministério Público, a prisão de Zamora "não tem nada a ver com sua condição de jornalista, mas sim por um possível ato de lavagem de dinheiro em sua condição de empresário".

Curruchiche foi adicionado recentemente pelos Estados Unidos à Lista Engel de "corruptos e antidemocráticos". Segundo os EUA, o funcionário liderou investigações com acusações espúrias contra ex-promotores antimáfia.

O El Periódico é reconhecido internacionalmente por seu trabalho investigativo. O ombudsman da publicação, Jordán Rodas, lamentou a prisão de Zamora e lembrou que o jornalista possui medidas cautelares da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH).

"Estamos em um momento muito difícil. Não gostaria de pensar que estamos nos tornando a Nicarágua 2.0", disse Rodas, referindo-se às prisões e condenações de jornalistas críticos ao ditador nicaraguense Daniel Ortega nos últimos anos.

Jornalistas guatemaltecos protestaram contra a prisão de Zamora. "Não se cala a verdade calando jornalistas!", gritaram no sábado funcionários do El Periódico e de outros meios de comunicação em frente aos tribunais do centro da capital, para onde Zamora foi levado por volta da 0h.

Na edição de sábado, o El Periódico culpa o presidente do país pela prisão de Zamora, que iniciou uma greve de fome em protesto por sua detenção.

Pedro Vaca, relator especial para a Liberdade de Expressão da CIDH, tuitou que acompanha a prisão e as buscas que policiais e promotores realizaram no jornal. "Faço um apelo às autoridades para que zelem pelo cumprimento dos direitos e garantias judiciais."

Em junho, a CIDH incluiu a Guatemala em sua lista de países onde observa graves violações de direitos humanos, acusação que Giammattei rejeita.

O Ministério Público, sob a liderança de Consuelo Porras, foi questionado por prender e processar vários juízes e promotores antimáfia, embora a entidade assegure que todos eles descumpriram funções.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos