Guedes comemora 'saída da recessão’, mas capitais temem segunda onda da COVID-19

Marcus Couto
·2 minuto de leitura
O ministro da economia, Paulo Guedes. (Foto: AP Photo/Eraldo Peres)
O ministro da economia, Paulo Guedes. (Foto: AP Photo/Eraldo Peres)

O ministro da economia brasileiro, Paulo Guedes, comemorou nesta sexta-feira (13) a notícia de que o Brasil estaria saindo da recessão, durante fala no Encontro Nacional de Comércio Exterior (Enaex). As informações são do jornal Valor Econômico.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Guedes se disse otimista especialmente porque, segundo a visão de sua equipe, a ameaça da COVID-19 já passou.

Leia também:

"O Brasil está oficialmente saindo da recessão. Nossa hipótese de trabalho é que a doença está descendo, a pandemia está descendo, são os fatos. A vacina está chegando”, disse o ministro, chefe da política econômica brasileira.

Mas a fala de Guedes vem simultaneamente a um receio em capitais brasileiras da chegada de uma segunda onda da doença.

Nesta semana, um documento do sistema InfoGripe, feito pela Fiocruz com base em informações do próprio governo, a COVID-19 avança em nove capitais brasileiras, levando especialistas a soar o alarme antecipado sobre a possibilidade de uma segunda onda atingir o país, em um momento em que o Brasil sequer se recuperou totalmente da primeira vaga.

As capitais com avanços registrados estão nas regiões Norte, Nordeste e Santa Catarina. As informações são do jornal O Globo.

Mas em São Paulo, médicos já registram preocupação também com o aumento no número de casos. Em entrevista à rede BBC, o médico Jaques Sztajnbok, supervisor da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Instituto de Infectologia Emílio Ribas revela que sua equipe tem “a impressão nítida de que a situação voltou a piorar", após um declínio no número de atendimentos.

Até o momento, o Brasil acumula mais de 5,78 milhões de casos da COVID-19, e mais de 164 mil mortes relacionadas à doença.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube