Guedes defende flexibilização do Mercosul e diz que economia fechada é 'armadilha' para o Brasil

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta terça-feira que a economia fechada foi uma “armadilha” contra o Brasil nos últimos 30 anos e defendeu a “flexibilização” do Mercosul.

— Ficar fechado foi muito prejudicial para o Brasil nos últimos 30 anos. O Brasil está negociando menos com nossos parceiros hoje. Então foi uma armadilha. Foi uma armadilha. Isso impediu o Brasil de se envolver em uma integração produtiva mais eficiente, de se integrar em cadeias globais — disse Guedes, falando em inglês para investidores.

O ministro disse que o Brasil está reduzindo unilateralmente as tarifas de importação e conversando com os “amigos” do Mercosul.

— Estamos reduzindo unilateralmente as tarifas de importação e também conversando com nossos amigos do Mercosul, porque queremos ter alguma flexibilidade e modernização no Mercosul — afirmou.

A tentativa do Brasil de reduzir a Tarifa Externa Comum (TEC) do Mercosul e avançar com a agenda de abertura comercial do ministro da Economia, Paulo Guedes, esbarra na resistência da Argentina. Mas o governo brasileiro quer ir adiante em sua proposta de reduzir a TEC em 10% agora e em outros 10% no fim do ano.

Seria uma forma de começar a abertura do mercado brasileiro, prometida ainda na campanha eleitoral de 2018, mas cuja dificuldade Guedes tem localizado principalmente nas amarras do Mercosul.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos