Guedes faz discurso otimista e diz que rombo nas contas pode ser de 0,3% do PIB em 2022

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 25.06.2021 - O ministro da Economia, Paulo Guedes, durante a entrega da 2ª parte da reforma tributária ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-PI). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 25.06.2021 - O ministro da Economia, Paulo Guedes, durante a entrega da 2ª parte da reforma tributária ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-PI). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro Paulo Guedes (Economia) apresentou nesta sexta-feira (20) uma projeção mais otimista para o rombo nas contas públicas no próximo ano. Segundo ele, o déficit primário deve ser de 0,3% do PIB (Produto Interno Bruto).

A LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias), que dá as bases para o Orçamento de 2022, prevê um resultado negativo de 1,9% do PIB.

O governo tem até o dia 31 de agosto para enviar ao Congresso o projeto de Orçamento de 2022. O resultado primário é a diferença entre receitas e despesas sem considerar os gastos com juros da dívida.

Nesse projeto, a equipe econômica pretende revisar a estimativa de déficit primário que está na LDO, atualmente da ordem de R$ 170 bilhões. Técnicos da pasta de Guedes refazem as contas e esperam um rombo mais baixo, que pode ficar em torno de R$ 70 bilhões.

Integrantes do Ministério da Economia afirmam que, por causa da retomada econômica, os cofres públicos devem arrecadar mais do que o previsto anteriormente.

Nesta sexta, o ministro lembrou que o déficit primário foi de 10% do PIB no ano passado, quando os gastos do governo sofreram forte aumento para conter a crise da Covid-19. Para 2021, a estimativa da área econômica agora é de 1,7% do PIB.

"Agora entramos neste ano [2021] num recuo dramático nesse gasto. Cai para 1,7% do PIB e ano que vem já é 0,3% do PIB", declarou Guedes, em entrevista à Genial Investimentos.

Desde a campanha presidencial de Jair Bolsonaro, o ministro afirmava que queria zerar o déficit primário. A agenda de controle de gastos, no entanto, foi surpreendida pela pandemia.

Apesar do revés, Guedes e membros da equipe dele, como o secretário especial do Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Bruno Funchal, já preveem um resultado positivo nas contas públicas no curto prazo.

Funchal, nesta semana, afirmou em debate na Câmara ser possível que o país registre superávit primário em 2023.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos