Guedes: Isolamento só foi possível porque governo manteve economia viva

·1 minuto de leitura
Brazil's Economy Minister Paulo Guedes attends a seminar on the resumption of the Brazilian economy, in Brasilia, Brazil, December 8, 2020. REUTERS/Ueslei Marcelino
Segundo Guedes, seria impossível combater a pandemia se governo seguisse "simplesmente a regra do Orçamento carimbado” (Ueslei Marcelino/Reuters)
  • Para o ministro da Economia, se governo não tivesse mantido sinais vitais da economia, isolamento não seria possível

  • Segundo Paulo Guedes, no início da pandemia da covid-19 não havia dinheiro para saúde e educação

  • Apesar de aumento dos gastos ser limitado pelo teto, o piso ainda está subindo, de acordo com ministro

Nesta terça-feira (1º), o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o cumprimento do isolamento social só aconteceu porque o governo federal manteve os sinais vitais da economia. Segundo ele, o combate à pandemia da covid-19 não teria sido impossível “se tivéssemos seguido só a dinâmica do dinheiro carimbado do Orçamento”. As informações são do Valor Econômico.

Leia também:

5% do Orçamento

Em audiência pública virtual da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, Guedes lembrou que, hoje, o governo é livre para movimentar 5% do Orçamento (95% já estão carimbados). De acordo com o ministro, com o passar do tempo, “o Orçamento foi escapando ao controle do Congresso e do Executivo”. 

Assim, ele disse que no início da pandemia não havia dinheiro para ser destinado às áreas de saúde e educação, já que quase todo o Orçamento estava carimbado. “Teria sido impossível combater a pandemia e mudar a situação (da educação) básica brasileira (o Fundeb) se seguíssemos simplesmente a regra do Orçamento carimbado”, afirmou.

Segundo Guedes, apesar de o aumento dos gastos ser limitado pelo teto, o piso ainda está subindo. Hoje, o ministro conta que setor de educação recebe R$ 22,3 bilhões acima do mínimo constitucional, chegando a R$ 77,9 bilhões, mesmo com a compressão do Orçamento público.