Guerra cultural: Ucrânia proíbe música e livros originários da Rússia

O Parlamento ucraniano aprovou dois controversos projetos de lei no domingo (19) que proíbem música e livros vindos da Rússia. A medida também vale para todo o material impresso originário de Belarus e das regiões ocupadas por Moscou.

A decisão foi anunciada pelo deputado ucraniano Pavel Frolov em sua conta no Telegram. Segundo ele, os projetos de lei adotados proíbem a transmissão da produção musical russa nas mídias do país, além da apresentação em espaços públicos ucranianos de artistas da Rússia. O mesmo vale para importação e distribuição de livros em língua russa que venham "do país invasor", de Belarus - um dos principais aliados de Moscou - e dos territórios ucranianos ocupados, para os quais será necessário obter uma licença especial.

Os textos preveem liberar das restrições artistas russos que condenaram publicamente a guerra, indicaram as mídias ucranianas. O Conselho de Segurança e Defesa Nacional do país também pretende criar uma lista de personalidades culturais russas que se distanciaram do Kremlin e poderão continuar sendo difundidos na Ucrânia.

Os projetos de lei foram adotados por dois terços dos deputados ucranianos. Os textos determinam que "a produção cultural do agressor pode agir sobre o comportamento da população". Segundo o Parlamento, as restrições poderão ser suspensas quando a guerra terminar e os territórios ocupados pelos russos retornarem ao controle da Ucrânia.

Os projetos de lei também preveem quotas mínimas de músicas em idioma ucraniano, que deverão representar pelo menos 40% da produção musical transmitida nas mídias do país. Além disso, ao menos 75% do conteúdo de informação e entretenimento de rádios e TVs devem usar o idioma oficial do país.

Quase quatro meses de guerra


Leia mais

Leia também:
Como Moscou tenta dividir ucranianos distribuindo passaportes russos
Funeral de ativista ucraniano morto em combate reúne centenas de pessoas em Kiev
Comissão Europeia apoia candidatura da Ucrânia à adesão à UE; decisão divide países-membros

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos