Guerra de drones na Ucrânia: EUA acusam Irã de fornecer equipamentos de combate à Rússia

A Casa Branca divulgou que o Irã planeja fornecer à Rússia centenas de drones com capacidade de armas, para uso na Ucrânia.

“O governo iraniano está se preparando para fornecer à Rússia até várias centenas de UAVs (veículos aéreos não tripulados, na sigla em inglês), incluindo UAVs com capacidade de armas, em um cronograma acelerado”, disse Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional da Casa Branca.

Barbárie: Aumenta violência sexual contra crianças em zonas de conflito, diz ONU

Pesquisa: Biden tem aprovação de só 33%, e democratas não querem que ele seja candidato à reeleição

Guga Chacra: Biden visitará o esquartejador saudita

Sullivan garante, ainda, que o Irã está se preparando para treinar forças russas para usar esses UAVs, provavelmente já neste mês de julho.

Nessa guerra de drones bélicos, os próprios EUA e outros aliados já forneceram à Ucrânia muitos tipos de UAVs. Um desses equipamentos armados é o Bayraktar, fabricado na Turquia, e que já foi alvo de interesse do alto escalão ucraniano - que observou de perto as apresentações desses equipamentos pelas forças armadas da quase vizinha Lituânia.

Os UAVs têm sido utilizados pelos dois lados na guerra, tanto para lançar mísseis e ataques menores, como para fazer reconhecimento de território para o avanço de tropas terrestres.

Após renúncia: Novo premier britânico será anunciado em setembro

Responsabilidade social: Chile pagará auxílio a 40% da população como ajuda contra inflação mais alta em 30 anos

Clima de deserto: Além de Portugal, Espanha e França tem nova onda de calor intenso

A revelação de Sullivan ocorre às vésperas da viagem do presidente Joe Biden a Israel e Arábia Saudita. E, coincidência ou não, a decisão dos EUA de revelar publicamente que o principal rival regional dos dois países estava ajudando a rearmar a Rússia ocorre quando israelenses e árabes resistem em unir esforços globais para punir a Rússia por sua invasão à Ucrânia.

Com informações do The Guardian.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos