A guerra entre Tanques de Batalha

Pela primeira vez desde 1945, uma guerra entre dois países está a ser travada na Europa com Tanques de Batalha construídos durante e depois do período soviético. Houve milhares de perdas dos dois lados do conflito. E a Ucrânia está gradualmente a esgotar as reservas.

Neste cenário, as indústrias militares ocidentais são chamadas para fornecer o exército de Kiev. Mas apesar destes tanques serem essenciais para evitar uma derrota, não são suficientes para garantir a vitória.

Johannes Andersen, da Agência Sueca de Investigação em Defesa, defende que os tanques “não são a solução mágica e não vão mudar drasticamente o curso da guerra”. “A um nível tático, são dependentes do apoio dos veículos de combate de infantaria e é preciso assegurar que se fornecem todas as condições necessárias em torno dos principais tanques de combate", sublinha.

Exército ucraniano precisa de mais de 500 novos tanques

Os Leopard 2 estão operacionais na maioria dos exércitos europeus e da NATO, e isso torna mais fácil a reparação e fornecimento. Qualquer Tanque de Batalha é um bem precioso nos batalhões, que são compostos por tanques mais leves e veículos de apoio à infantaria, como o Bradly norte-americano e o AMX francês, que devem ser entregues na Ucrânia.

Os especialistas dizem que as qualidades e os pontos fracos dos tanques russos continuam a ser um mistério para os analistas ocidentais e para o exército ucraniano. Tendo em conta a elevada taxa de destruição de tanques, neste momento, na Europa Ocidental, não poderia haver tanques suficientes disponíveis, tanto em termos de stock como em termos de nova produção.

Segundo os peritos, para fazer a diferença no campo de batalha, o exército ucraniano precisaria de mais de 500 novos tanques.