Guerra na Ucrânia deve terminar para evitar 'precipício nuclear', diz presidente bielorrusso

O presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, disse nesta quinta-feira que o Ocidente, a Rússia e a Ucrânia devem encerrar o conflito para evitar o "precipício" da "guerra nuclear", em entrevista exclusiva à AFP. Para Lukashenko, que permitiu que tropas russas passassem por seu território para atacar a Ucrânia, cabe a Kiev aceitar concessões e ir às negociações, pois para ele essa é a única saída para o conflito.

Ataque na fronteira: Norte da Ucrânia é alvo de bombardeio intenso a partir da Bielorrússia

Em conjunto: Rússia e Bielorrússia estendem exercícios militares perto da Ucrânia; Kremlin alerta que previsões de invasão são provocativas

— Vamos, vamos parar. Não devemos ir mais longe. Adiante está o precipício, uma guerra nuclear. Não podemos chegar lá — disse Lukashenko, principal aliado da Rússia, no Palácio da Independência na capital bielorrussa, Minsk. — Isso tem que parar, temos que ouvir, parar esse caos, a operação e a guerra na Ucrânia.

As negociações anteriores entre Rússia e Ucrânia, que começaram nos primeiros dias da ofensiva, falharam, com cada lado culpando o outro.

— Tudo depende da Ucrânia. A peculiaridade deste momento é que a guerra pode terminar em condições preferíveis, mais aceitáveis ​​para a Ucrânia — considerou Lukashenko.

Territórios ocupados, territórios perdidos

O presidente bielorrusso lembrou que o presidente russo, Vladimir Putin, alertou que o Exército russo não estava sendo totalmente usado na Ucrânia. Para Lukashenko, Kiev tem que concordar em "nunca abrigar no território da Ucrânia armas que possam ameaçar a Rússia".

Entrevista: ‘O público europeu está cansado da guerra na Ucrânia’, diz estudioso das relações entre Rússia e Ocidente

— A guerra em curso ainda não é tudo o que a Rússia poderia fazer — declarou ele, referindo-se às armas "temíveis" que Moscou ainda não pôs em campo.

Lukashenko acredita que a Ucrânia tem que aceitar que perdeu as regiões ocupadas pela Rússia no Leste e no Sul.

— Poderia haver dúvidas em fevereiro ou março, mas isso agora é indiscutível — disse ele.

Ele também acusou o Ocidente de provocar a guerra, considerando que a ameaça que pairava sobre a Rússia era tamanha que deveria atacar seu vizinho.

Sem fim à vista: O que pode encerrar o conflito entre Rússia e Ucrânia?

— Vimos as causas desta guerra. Se a Rússia não tivesse se adiantado à Otan, vocês [ocidentais] teriam se organizado e atacado — disse Lukashenko. — Você causaram e estão prolongando a guerra.

Segundo ele, o conflito teria sido evitado se os países ocidentais tivessem dado a Putin "as garantias de segurança que ele pediu" no final de 2021 e início de 2022: o recuo da Otan para as fronteiras de 1997, antes da ampliação da aliança militar ocidental para o Leste Europeu, e o fim da aproximação com a Ucrânia.

— Por que não lhe deram as garantias? Isso significa que queriam a guerra — declarou o presidente.

Quanto à participação da Bielorrússia, Lukashenko disse que seu exército serviu como cordão de segurança da Rússia para evitar um "ataque por trás", mas que não iria ao campo de batalha.

— Sim, nós participamos da operação. Como? Bloqueando o Oeste e Sudoeste da Bielorrússia para que eles não possam atacar a Rússia por trás — disse ele. — Mas não matamos ninguém.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos