Guerra na Ucrânia: os sacerdotes da Igreja Ortodoxa russa que estão se rebelando contra Moscou

·5 min de leitura
Nicolay Pluzhnik
'Nunca esquecerei o momento em que acordei cedo para ir à missa e de repente ouvi os sons chocantes dos bombardeios', diz o padre Nikolai Pluzhnik

A Igreja Ortodoxa Russa ecoou a retórica do Kremlin ao justificar a guerra na Ucrânia.

A postura parece estar levando um grande número de padres ucranianos e membros da Igreja Ortodoxa a virar as costas para Moscou.

"Nunca esquecerei o momento em que acordei cedo para ir à missa e de repente ouvi os sons chocantes dos bombardeios", diz o padre Nikolai Pluzhnik.

"A mulher maravilhosa que cozinhava em nossa igreja e seu filho, que estava em uma cadeira de rodas, foram mortos quando um projétil de artilharia caiu em seu apartamento. E agora eu sei de vários outros paroquianos que foram mortos", acrescentou.

Como a maioria do clero da região nordeste da Ucrânia, o padre Pluzhnik pertencia à filial local da Igreja Ortodoxa Russa, que segue a linha marcada por sua sede em Moscou.

Mas agora, ele afirmou, pediu para se juntar à Igreja Ortodoxa Ucraniana, que finalmente obteve a independência da Rússia em 2019, em um movimento nunca reconhecido pelo país governado por Putin.

Pluzhnik disse que muitos de seus colegas padres que seguiram o patriarca Cirilo de Moscou estão fazendo o mesmo por causa da posição do líder da Igreja sobre a guerra.

O padre Pluzhnik e sua família fugiram quando a região onde moravam foi atacada e agora têm um novo lar temporário na cidade de Chernivtsi, no oeste da Ucrânia.

"Quando a guerra começou eu estava esperando notícias do Patriarca Cirilo de Moscou, o 'pai' de nossa igreja. Mas primeiro não houve reação e depois foi pior", disse ele.

"O patriarca Cirilo abençoou o exército russo, dando sua bênção à guerra. Não só ele, mas a maioria dos sacerdotes do Patriarcado de Moscou (Igreja Ortodoxa Russa), incluindo alguns que têm raízes ucranianas. Fiquei em choque" , conta.

Além de não condenar inequivocamente o massacre de pessoas inocentes na Ucrânia ou pedir um cessar-fogo, o patriarca realizou grandes serviços televisionados em Moscou para abençoar as tropas. Ele também sugeriu em sermões que a guerra do Kremlin é apenas para o futuro do cristianismo.

"O que está acontecendo hoje é muito mais importante do que a política", disse ele no mês passado. "Estamos falando de salvação humana, onde a humanidade vai parar, de que lado está em relação a Deus salvador?"

Padre Cirilo, em vestes verdes, em uma cerimônia recente assistida por militares
Padre Cirilo, em vestes verdes, em uma cerimônia recente assistida por militares

Nacionalismo cristão

Há um tom religioso em grande parte da narrativa do Kremlin que justifica sua invasão da Ucrânia. É uma luta pelos ideais conservadores da Igreja Ortodoxa Russa contra um suposto mundo exterior imoral.

O presidente russo, Vladimir Putin, disse que a Ucrânia não é apenas uma "parte inalienável" da história e cultura da Rússia, mas também seu "espaço espiritual".

Rowan Williams, o ex-arcebispo de Canterbury que foi o líder espiritual da Igreja da Inglaterra até 2012, disse que acha o sentimento do patriarca Cirilo preocupante.

"Existem elementos na tradição cristã russa que podem se tornar realmente tóxicos quando você coloca um tipo particular de nacionalismo cristão, uma espécie de abordagem messiânica do destino da nação, em suas cabeças", disse Williams durante uma visita ao oeste da Ucrânia nesta semana.

Williams fazia parte de uma delegação multirreligiosa de alto nível que incluía líderes cristãos, judeus, muçulmanos, hindus e budistas, que se reuniram com refugiados que fugiram dos horrores no leste do país.

O ex-arcebispo há muito estudou e escreveu sobre a contribuição positiva da Igreja Ortodoxa Russa e parece profundamente entristecido pelo papel que o Patriarcado de Moscou está desempenhando na guerra.

"Acho que a crescente influência no Patriarcado de Moscou de ideais ultranacionalistas, que muitas vezes incluem um tom de antissemitismo, já existe há algum tempo", disse ele.

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, em encontro com Cirilo no dia 20 de novembro de 2021
Presidente da Rússia, Vladimir Putin, em encontro com Cirilo no dia 20 de novembro de 2021

"Agora se manifesta neste apoio muito acrítico às ambições nacionais russas, uma atitude muito agressiva em relação a muitas outras igrejas ortodoxas", disse ele.

'Ou eles são cegos ou estão servindo ao diabo'

O patriarca Cirilo ecoou a afirmação de Putin de que os falantes de russo e os seguidores da Igreja Ortodoxa Russa de Moscou que vivem no leste da Ucrânia precisam ser libertados após anos de opressão.

"Nossos irmãos e irmãs estavam realmente sofrendo, estão sofrendo por sua lealdade à Igreja", disse o patriarca, uma semana após o início da guerra.

Mas o padre Pluzhnik, um falante de russo e defensor do Patriarcado de Moscou durante toda a sua vida adulta, ficou furioso com essas alegações.

"Quando os ouço dizer que estão nos protegendo e que estão travando uma 'guerra santa', penso que ou são cegos ou que não estão servindo a Deus, mas ao diabo ", disse.

"Vivíamos em paz até eles chegarem. Mas em vez de nos proteger, eles bombardearam, torturaram e mataram. Antes da guerra, os paroquianos tinham total liberdade para escolher a que igreja serviriam, e simplesmente iam para a igreja mais próxima de sua casa. Para muitos, nem mesmo fez uma diferença significativa para eles irem a uma igreja que seguisse Moscou ou não, eles só queriam orar a Deus. Agora isso mudou", acrescentou.

Sergi Bortnik, professor da Academia Teológica de Kiev e conselheiro da Igreja Ortodoxa Russa na Ucrânia, reconhece que houve um amplo movimento de pessoas e paróquias em todo o país que abandonaram sua fidelidade a Moscou.

"Acho que talvez seja metade das 12.000 paróquias (do Patriarcado de Moscou na Ucrânia) que disseram que querem se separar agora", disse Bortnik.

"O patriarca Cirilo não disse nada sobre todos os cristãos na Ucrânia que foram mortos, então acho que os membros da nossa igreja estão livres para encerrar sua conexão com ele como patriarca", acrescentou.

"A conexão de toda a nossa igreja na Ucrânia com Moscou está agora em dúvida", disse ele.

O objetivo do Kremlin, apoiado pela liderança da Igreja Ortodoxa Russa em Moscou, era unir a Rússia e a Ucrânia em um único "espaço espiritual".

Mas a maneira como eles tentaram fazer isso parece ter tido justamente o efeito oposto.

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos