Guia da solidariedade: o que fazer pelo próximo em tempos de pandemia

Carolina Mazzi
Guia de solidariedade

RIO - As medidas de isolamento social para os que podem ficar em casa são fundamentais para evitar o avanço da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Neste momento, muitas pessoas perderam suas fontes de renda e passaram a contar com a ajuda de doações, seja de alimentos, itens de higiene ou financeiras. Locais essenciais na luta contra a pandemia — instituições de pesquisa e hospitais (bem como seus profissionais de saúde) — também têm se organizado para receber contribuições.

Além de cuidados como ficar em casa, higienizar as mãos e usar máscaras, exitem outras formas de ajudar na luta contra os vários efeitos da pandemia: contribuindo com o trabalho de ONGs, institutos e campanhas. Uma delas é a Central Única de Favelas (Cufa), que distribui alimentos e outros insumos para famílias em mais de cinco mil comunidades de todo o país. A instituição tem um canal para receber doações financeiras de empresas e pessoas físicas, e divide os valores que já chegam a R$ 60 milhões. No programa Mães da Favela, a Cufa distribui a mulheres chefes de família o valor equivalente ao custo de uma cesta básica (R$ 120).

— Além de fazermos toda a logística de distribuição dos alimentos e produtos, também recebemos doações direto em nossas sedes, para quem não quer ou não pode fazer a doação financeira. Temos visto um engajamento importante de pessoas e empresas parceiras nessa época da Covid-19. E tudo é auditado para ter a maior transparência possível — explica Celso Athayde, fundador da Cufa.

Bem-estar coletivo

Além de doações a instituições e campanhas, ajudar quem precisa no dia a dia também é importante. Fazer compras para um vizinho idoso e comprar dos pequenos comerciantes locais — que tendem a sofrer mais com o fechamento da economia — são medidas que contribuem para que todos enfrentem a pandemia.

— Nós somos seres sociais. Contribuir com o bem-estar coletivo nos faz sentir menos sozinhos e saber que podemos contar com o próximo — explica a psicóloga Ana Paula Poveda.

POR QUE DOAR. Não faltam motivos para ajudar durante a pandemia. Muitas famílias perderam suas fontes de renda e passaram a contar com a doação de alimentos e insumos. O sistema de saúde nacional está sobrecarregado com atendimentos e recebe contribuições para a compra de respiradores e EPIs, por exemplo. Além disso, instituições de pesquisa, que vêm desenvolvendo testes, equipamentos de baixo custo e vacinas, também precisam de colaboração.

COMOAJUDAR NO DIA A DIA. Além de doações financeiras para instituições, é possível contribuir no dia a dia. Ajudar um vizinho idoso, indo à farmácia por ele, por exemplo, é uma forma importante de evitar expor o grupo de risco a um contágio. Fortalecer os pequenos comerciantes do seu bairro também é uma delas.

PESQUISE. Muitas pessoas precisaram buscar outras alternativas de vida durante a pandemia. Procure-as. Há quem passou a vender comida para sustentar a família ou transformou aquilo que era hobby, como costurar, em fonte de renda.

PROCURE SABER. O isolamento social, para quem pode, tem deixado muitos ansiosos e se sentindo solitários. Quem já tem tendência a crises e doenças mentais pode ter piorado. Busque o contato com essas pessoas, ainda que virtual, e procure saber como os amigos e familiares estão. Ofereça companhia - e lembre-se de ouvir.

CONTINUE PAGANDO, SE PUDER. Quem pode deve continuar pagando prestadores de serviço, como diaristas, para que estes profissionais também possam fazer o isolamento social e evitar o avanço da pandemia.

TODO MUNDO JUNTO. Além da óbvia ajuda ao próximo, doar ajuda a reduzir a sensação de "passividade" do isolamento social. Ajudar a promover o bem-estar geral fortalece a sensação de que não estamos sozinhos e que se pode contar com o outro, mesmo longe de familiares e amigos.

PARA DOAR ALIMENTOS E INSUMOS

MOVIMENTO UNIÃO RIO. Reúne doações para profissionais que estão na linha de frente da luta contra o coronavírus e pessoas em situação de vulnerabilidade social. A doação pode ser feita pelo site benfeitoria.com/uniaorio.

MUSEU DO AMANHÃ. Campanha do museu para arrecadar doações para ajudar os moradores, associações locais e famílias da região portuária do Rio que foram afetados pela pandemia. Doações pelo site: benfeitoria.com/amigosolidario

FAMÍLIA APOIA FAMÍLIA. A plataforma reúne campanhas de ONGs que levam insumos a famílias desamparadas. Pode-se colaborar com valores a partir de R$ 10: bit.ly/2UJNLv1.

AÇÃO DA CIDADANIA. As doações vão levar alimentos a famílias no Rio, São Paulo e Minas. Em breve, a ação será ampliada para outras localidades. Para doar a partir de R$ 10, acesse bit.ly/34ecBGL.

RIO CONTRA CORONA. Recebe doações para compra de cestas básicas e materiais de higiene e limpeza. Os produtos são distribuídos em comunidades carentes do Rio. Informações pelo site riocontracorona.org.

VIVA RIO. Arrecada e distribui itens essenciais para famílias que ficaram sem renda . Doações pelo site vivario.org.br/sosfavela.

PARA CONTRIBUIR COM A SAÚDE E A PESQUISA

FUNDO EMERGENCIAL PELA SAÚDE. Campanha formada por três entidades (Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, Movimento Bem Maior e BSocial) para captar doações para a Fiocruz, o Hospital das Clínicas, a Santa Casa de São Paulo. Para doar, acesse o site: bsocial.com.br/causa/fundo-emergencial-para-a-saude-coronavirus-brasil/doar

HOSPITAL DAS CLÍNICAS. A campanha HCCOMVIDA pretende arrecadar recursos para o combate a Covid-19 no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo. Para doar, acesse o site: viralcure.org/hc

FUNDAÇÃO COPPETEC/UFRJ. A fundação, que é parte da UFRJ, aceita doações financeiras para a produção de ventiladores pulmonares mecânicos de baixo custo que serão enviados aos SUS. Para doar, a conta é: Banco do Brasil / Agência 2234-9 / Conta 55 622-X / CNPJ 72.060.999/0001-75.

FIOCRUZ. É possível doar a partir de R$ 30 para apoiar a produção de kits de diagnóstico do coronavírus e garantir assistência a pacientes, entre outras iniciativas da instituição. Acesse bit.ly/3aGRT4y.

MÉDICOS SEM FRONTEIRAS. A instituição internacional promove atendimento e acompanhamento médico em São Paulo, no Rio e Roraima para as famílias cujas condições de vida dificultam a adoção das medidas de distanciamento social. Doações pelo site: msf.org.br/doacao-unica

PARA AJUDAR AÇÕES EM COMUNIDADES

VOZ DAS COMUNIDADES. A ONG criou a campanha “Pandemia com empatia” para arrecadar dinheiro e comprar água, álcool em gel e sabonete. Para depositar: ONG Voz das Comunidades, CNPJ 21.317.767/0001-19, Caixa Econômica, agência 0198, conta corrente 3021-2.

CENTRAL ÚNICA DAS FAVELAS - CUFA. A meta, que era de R$ 300 mil, já foi ultrapassada, mas ainda é possível doar pelo link bit.ly/2UIQJjq.

REDES DA MARÉ. Pessoas ou empresas que produzam alimentos podem doar para moradores de rua entrando em contato com a ONG pelo e-mail parcerias@redesdamare.org.br ou pelo telefone (21) 99579-1819.

G10 FAVELAS. A organização quer ajudar moradores de Paraisópolis, em São Paulo, e da Rocinha, no Rio. O objetivo é colaborar com pessoas que perderam emprego, além de montar uma UTI móvel. Doações a partir de R$ 10. Para ajudar Paraisópolis, o site é bit.ly/3dZfTll. Para destinar recursos à Rocinha, bit.ly/3dWFuLV.

MUNDO NOVO. Instituição social sem fins lucrativos localizada na comunidade da Chatuba de Mesquita, município da Baixada Fluminense com mais de 170.000 habitantes. Eles estão distribuindo alimentos para os moradores. Doações pelo site: institutomundonovo.apoiar.com