Guia indica a servidor público evitar termos como 'mãe solteira' e 'João sem braço'

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - No ambiente de trabalho, um homem chama uma colega de "gordona". Ela fica magoada, ofende-se, e isso o faz refletir sobre sua atitude preconceituosa. Constrangido com o próprio ato, ele reconhece que errou e se retrata com ela. Hoje, eles convivem harmoniosamente.

Essa situação aconteceu em um dos órgãos da Prefeitura de Campinas, no interior de São Paulo. Para evitar situações parecidas, o município lançou neste mês o "Guia de Terminologia sobre Políticas Afirmativas" para nortear o atendimento de seus servidores aos cidadãos campineiros e até para que a relação entre os funcionários públicos seja mais igualitária.

Virtual, o guia tem a pretensão de ser didático e fácil de compreender. Termos que devem ser evitados —como "cabelo ruim", "escravo", "criado mudo", "fazer nas coxas", "ceguinho", "bichona/viado", "sapatão", "índio", "hermafrodita", "macumbeiro" e "mãe solteira", entre outros—, ganham sinalização em vermelho.

Destacadas em azul aparecem as sugestões de expressões a serem usadas no lugar das palavras pejorativas, como escravizado, mesa de cabeceira, mal feito, deficiente visual, gay, lésbica, indígena e mãe solo.

"O guia está sendo divulgado em todos os serviços de atendimento ao público da prefeitura. O objetivo é que o servidor tenha uma prestação de serviço mais acolhedora e correta", afirma Eliane Jocelaine Pereira, à frente da Secretaria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas da Prefeitura de Campinas.

A secretária cita outros termos pejorativos que entraram no guia após sugestão de servidores: "crioulo", "mulato" (prefira pardo ou mestiço) e "João sem braço", por exemplo.

"Buscamos fazer um retrato da administração pública. Então, decidimos que era uma boa iniciativa promover atividades de equidade no serviço público aos servidores que pertencem a segmentos negros, indígenas, pessoas com deficiência, LGBTQIA+ e idosos", afirma Eliane.

Há ainda no guia explicações de conceitos como diversidade, homofobia, discriminação racial, capacitismo, etarismo e direito reprodutivo.

A ideia de criar um manual de referência surgiu quando funcionários públicos municipais identificaram que havia uma linguagem inadequada e preconceituosa sendo usada em documentos, como relatórios, e apresentações.

Eram termos como "retardado", "doente mental" e "deficiente", de acordo com a analista de gestão de pessoas Milena Ranzini, 42, que fez parte do grupo intersetorial que desenvolveu o manuscrito.

"O guia passa a ser um local de referência para saber a linguagem adequada que os funcionários públicos devem usar. Já que muitas pessoas não tinham conhecimento de quais termos eram ou não corretos", afirma Milena.

A analista lembra, ainda, que atualmente não se usa mais o termo "deficiente", e sim pessoa com deficiência. Tampouco se deve falar, segundo ela, "louco" ou "doido", mas sim pessoa com transtorno mental.

Milena admite que, em uma reunião recente, ao tentar dizer que não havia alguém disponível para cumprir uma tarefa, disse que estavam "sem braço".

"Um funcionário já chamou a atenção e lembrou que esse termo constava no manual, em capacitismo. Sinal que o guia está funcionando. Estamos todos aprendendo juntos", relata Milena.

Funcionário público da Coordenadoria Setorial de Benefícios Sociais de Campinas, Cléber Nogueira Rodrigues, 42, também contribuiu para o guia antes de seu lançamento, ao sugerir termos raciais e homofóbicos.

Para ele, as políticas afirmativas são importantes. "Elas nos ensinam a ser mais inclusivos. Muitas vezes as pessoas usam termos equivocados por falta de conhecimento. É uma oportunidade de reparar as desigualdades sociais e raciais da nossa sociedade."

O guia tem tido efeito sobre os servidores na rotina de trabalho. Alguns têm até levado os novos ensinamentos para fora do ambiente institucional.

"Um dos servidores mostrou o guia para o pai, que logo notou que faltava a palavra 'judiação', que tem uma conotação preconceituosa com os judeus. Outra expressão que pedimos para evitar são aquelas que reforçam os maus tratos aos animais, como 'matar dois coelhos com uma cajadada só' ou 'apanhou como um cachorro'", relata Milena.

Esse guia busca validar a mudança de comportamento em relação à diversidade, para a terapeuta ocupacional Juliana Assunção dos Santos, 43. "Estamos aqui justamente para conviver com o diferente. Isso é inclusão."

Foi ela quem sugeriu que os termos "louco" e "doido" constassem no manual. "São pejorativos para se referir a pessoas que, na verdade, têm um transtorno mental. Assim como falar que alguém é retardado ou débil mental, é preciso parar com isso, com todos esses termos preconceituosos."

A leitura do manual não é obrigatória. "Precisamos socializar a questão da equidade na administração. Quanto mais debatermos as mudanças de comportamento, mais fácil vai ser exigir a atualização. Obrigar a leitura sem mudar o comportamento não muda a cultura", relata a secretária.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos