Guto Ferreira ou Carille no Santos? Fernando Diniz precisa se reciclar

·1 minuto de leitura
Fernando Diniz deixa o Santos, após 27 jogos. Foto: Gil Gomes/AGIF
Fernando Diniz deixa o Santos, após 27 jogos. Foto: Gil Gomes/AGIF

O Santos demitiu o técnico Fernando Diniz, após a derrota de 2 a 1 para o Cuiabá, pela Série A do Brasileiro. Foi o sexto jogo sem vitória santista, deixando o time próximo da zona de rebaixamento, aliado a eliminação na Copa Sul-Americana para o limitado Libertad. 

Diniz teve um retrospecto de dez vitórias, sete empates e dez derrotas, com poucos avanços e equilíbrio da equipe. O plano de uma nota só, sempre com posse de bola com um elenco sem muita característica para isso, obviamente atrapalhou. Se Diniz consegue aumentar a ofensividade dos times, defensivamente não mostra a mesma consistência, sem um conjunto forte. Claramente, Diniz precisa se reciclar e rever convicções, depois de comandar quatro grandes clubes brasileiros, sem nenhum título. O rótulo de inventor e perdedor está grudado e só novas ideias e trabalhos para mudar essa imagem negativa. 

Agora, o Santos busca um novo profissional. Guto Ferreira e Fábio Carille estão livres no mercado e aparecem como boas opções. A efetivação do auxiliar Marcelo Fernandes também não pode ser descartada. 

A gestão do presidente transparente Andrés Rueda está indo para seu terceiro técnico, em nove meses. Alguma coisa pode estar errada no pensamento de membros da diretoria em relação ao futebol. O Santos precisa reagir rápido, com sua capacidade de regeneração, sob pena de outros vexames, repetindo a fraca campanha do Campeonato Paulista.  

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos