Há 12 anos, Steve Jobs mudava o mundo ao apresentar o primeiro iPhone

Rafael Rodrigues da Silva
Ao subir no palco do Moscone Center em San Francisco e apresentar a um público de amantes de jornalista e amantes da Apple o primeiro iPhone, Steve Jobs a partir daquele momento criava toda uma nova indústria e mudava para sempre os rumos do mundo

Há exatamente 12 anos, em 9 de janeiro de 2007, Steve Jobs subia ao palco do Moscone Center, na cidade de San Francisco, para anunciar um produto revolucionário que iria mudar todos os rumos da indústria de tecnologia dali para frente. E, ao mostrar o que era este produto, todos os presentes não tiveram nenhuma dúvida: ao contrário do que costuma acontecer nesse tipo de apresentação, a fala de Jobs não era apenas uma figura de linguagem; era a mais pura verdade.

Em 9 de janeiro de 2007, Steve Jobs revelou ao mundo o primeiro iPhone.


Até ali, os telefones celulares já eram aparelhos comuns na vida das pessoas. Mas, ainda que tivessem algumas funções como despertador, reprodução de músicas em mp3 e alguns joguinhos básicos, os celulares ainda eram, em seu cerne, telefones: você fazia ligações, enviava mensagens, e era basicamente isso. Mas, para Jobs, esses aparelhos poderiam ser muito mais do que isso; e, com a revelação do iPhone, toda uma nova indústria foi criada naquele dia: a dos smartphones.

Vista hoje, a revolução do iPhone parece algo simples: abandonar as teclas físicas, abraçar as infinitas possibilidades permitidas por uma tela touch. Como Jobs cita em sua apresentação, o iPhone iria revolucionar o mundo permitindo que as pessoas ligassem para seus amigos apenas com um único toque na tela. E, assim como em A Criação de Adão de Michelangelo, o toque de Jobs funcionou como um toque do Criador, dando vida a algo que se tornaria muito maior do que sua própria criatura.

Se hoje a Apple, mesmo vivendo uma crise e apresentando os menores números em vendas de iPhones dos últimos anos, ainda é uma das três empresas mais valiosas do mundo, isso se deve ainda à revolução criada pelo primeiro iPhone. E, se empresas chinesas como a Xiaomi e a Huawei estão aos poucos dominando o mundo com seus smartphones de alta qualidade a preços relativamente mais baixos, elas também têm a própria Apple para agradecer, pois sem o primeiro iPhone, o mercado de smartphones demoraria mais alguns anos para ser criado, e provavelmente, não seria em nada parecido com o que existe hoje.

Considerando o que é o mercado de smartphones hoje, a apresentação de 2007 não é apenas uma das mais icônicas de Steve Jobs ou da Apple, mas uma das revelações de produto mais importantes das últimas décadas. E o mundo seria literalmente outro se qualquer aspecto desta história acontece de modo diferente.


Fonte: Canaltech