Há 8 anos, gandula 'ajudou' Botafogo a ser campeão. Hoje, ela colhe os frutos: 'Meu segundo aniversário'

Marcello Neves
1 / 3

46302105.jpg

Nem o mais otimista torcedor do Botafogo imaginava que o título da Taça Rio de 2012 viria de maneira tão curiosa. A vitória por 3 a 1 na final contra o Vasco deixou clara a superioridade alvinegra, mas o jogo ficou marcado pela "assistência" de uma gandula, que repôs a bola rapidamente e ajudou Loco Abreu a abrir o placar. Oito anos depois, completos nesta quarta-feira, a profissional ainda é lembrada com carinho.

A gandula era Fernanda Maia, hoje com 30 anos, que viu a sua vida mudar após aquele lance. Na época, ela tinha rotina dividida entre ser professora de educação física pela manhã, trabalhar na Prefeitura à tarde e dar aulas de musculação à noite. Financeiramente estava estável, mas havia a frustração por não trabalhar com o futebol. Então, ser gandula foi a solução.

- Estava naquela função há três anos e sempre ficava naquela lateral. Todos os finais de semana, no sábado e no domingo. Não só em jogos do Botafogo, mas também nos de Flamengo e Fluminense porque o Maracanã estava fechado. Quando tinha rodízio, falavam para me colocar no Botafogo porque eu gostava e era o meu clube do coração - conta Fernanda, ao 'Jogo Extra'.

O lance é rápido, mas decisivo. Fágner afastou a bola para lateral e a gandula a recolocou nas nas mãos de Maicosuel. Com a defesa do Vasco desorganizada, Márcio Azevedo foi lançado para cruzar para Loco Abreu, livre, empurrar para as redes. Maia garante que não teve maldade na reposição, que já foi repetida diversas vezes com outros clubes.

- Quando era gandula, tinha outro menino que colacava a bola na mão do jogador. Eu reparava que aquilo agilizava a jogada e comecei a fazer também. Em casa, via reprise dos jogos que eu trabalhava para ver as minhas atuações. Aquela jogada, na verdade, eu já tinha feito varias vezes com outros jogadores, mas ele não aproveitaram. Nem vi o gol na hora (risos), tive que descer as escadas para pegar a bola que foi afastada e só ouvi o grito da torcida - brinca Fernanda.

Oito anos depois, Fernanda Maia está casada com Junior Carelli, vascaíno, e tem uma filha de um ano e meio chamada Roberta Maia, que ela faz questão de dizer que é botafoguense. A ex-gandula agora trabalha como comentarista e apresentadora esportiva, além de ser a locutora oficial do Estádio Nilton Santos.

- Eu comemoro [o dia] desse lance como se fosse o meu segundo aniversário. Eu nasci para o mundo em 10 de agosto, mas nasci para o futebol em 29 de abril de 2012. Ali, tudo muda para mim. Minha vida muda completamente naquele momento. São aqueles 15 minutos de fama que acontecem aos montes. Até hoje tem gente que não sabe meu nome, mas sanbem que sou "a menina do Botafogo - completa.

Nas redes sociais, o perfil do Campeonato Carioca lembrou da conquista.