Há 'acusações confiáveis' de que menores ucranianos são levados à força para a Rússia, diz ONU

Há "acusações confiáveis" sobre o traslado forçado de menores da Ucrânia para a Rússia, declarou nesta quarta-feira (7) a vice-secretária-geral da ONU para os direitos humanos, preocupada com sua possível adoção por famílias russas.

"Há acusações confiáveis sobre o traslado forçado de crianças desacompanhadas para o território ocupado pela Rússia ou para a própria Federação da Rússia", disse Ilze Brands Kehris durante uma reunião do Conselho de Segurança da ONU.

"Preocupa-nos que as autoridades russas tenham adotado um procedimento simplificado para conceder a cidadania russa às crianças que não estão sob a custódia de seus pais e que estas crianças sejam elegíveis para adoção por famílias russas", acrescentou.

Ela também disse que o Escritório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos, do qual faz parte, pôde "confirmar" que as forças armadas russas tinham criado centros de triagem, uma forma de controle de segurança e coleta de dados pessoais e biométricos.

Estes controles são aplicados a pessoas que saem de uma área de combate ou cruzam o território controlado pela Rússia.

"Nos preocupa que estos controles e as detenções subsequentes ocorram fora de qualquer marco legal e não respeitem os princípios de necessidade e proporcionalidade", citando "informes confiáveis" de "numerosas violações dos direitos humanos".

O próprio escritório do Alto Comissariado "documentou" casos em que as pessoas submetidas a esta "filtragem" foram submetidas a revistas corporais, às vezes com a necessidade de ficarem nuas.

"Preocupa-nos especialmente o risco de abusos sexuais contra mulheres e meninas durante estes procedimentos de filtragem", acrescentou.

O embaixador russo na ONU, Vasily Nebenzya, rechaçou as acusações, chamando-as de "sem fundamento" e dizendo que os ucranianos estão deixando seu país "para se salvar do regime criminoso", uma referência de Moscou ao governo de Kiev.

O que foi denominado de "filtragem" é simplesmente um registro de pessoas que chegam à Rússia, segundo o embaixador.

"Pelo que podemos julgar, procedimentos similares são aplicados na Polônia e outros países da União Europeia contra os refugiados ucranianos", disse ao Conselho de Segurança.

Os Estados Unidos, que iniciaram a reunião do Conselho de Segurança com a Albânia, acusaram diretamente nesta quarta o presidente russo,  Vladimir Putin, de organizar o deslocamento forçado de milhares de ucranianos para a Rússia.

abd/ube/ad/dl/atm/yow/mvv