Há mais de dez anos que não há mortos na estrada em Pontevedra

Em pouco mais de duas décadas, Pontevedra tornou-se num modelo de sustentabilidade urbana graças a uma estratégia de reabilitação do espaço público que dá a prioridade aos peões.

A cidade galega de oitenta mil habitantes limitou a circulação automóvel para que as pessoas possam andar a pé e de bicicleta e ter um acesso facilitado ao comércio local.

Um novo ambiente urbano que atraiu Elena Herrero mudou-se de Madrid para Pontevedra. "Tenho tudo aqui muito perto, o centro de saúde fica praticamente atrás da minha casa, o hospital também está perto, tenho vários supermercados, incluindo debaixo da minha casa, por isso para ter as coisas básicas, não preciso de ir muito longe", disse à euronews Elena Herrero.

euronews
Centro de Pontevedra, na Galiza, Espanha - euronews

Peões reconquistam espaço público que antes era dominado pelos carros

O novo modelo urbano baseado no conceito de "cidade dos 15 minutos" implementado em Pontedevedra teve um impacto positivo no comércio. As vendas aumentaram 7% desde o lançamento do projeto.

"As pessoas saem para passear pela cidade, o que é muito mais benéfico para as empresas locais, que podem vender mais e ter mais impacto", afirmou Victor Riobó, comerciante em Pontedevedra.

A mudança começou em 1999 com o fim da circulação automóvel no centro histórico.

A câmara adotou uma estratégia com uma dimensão pedagógica e informativa para que a mudança fosse positiva para a maioria das pessoas.

"Cada cidade tem a sua rua principal com comércio que define o carácter dessa cidade. Se as cidades se tornarem mais amigas dos peões, passam a transmitir uma imagem de modernidade associada à limitação a circulação dos carros", sublinhou Mosquera César, vereador de Pontevedra.

A Câmara Municipal de Pontevedra criou o Metrominuto, um mapa que mostra o tempo que leva a chegar a pé de um ponto ao outro.

"Ajuda e estimula as pessoas a descobrir o centro histórico de Pontevedra a pé, o que permite passear e apreciar cada esquina", disse Anxo Patiño, turista em Pontevedra.

Menos acidentes mortais e menos poluição

Os carros autorizados a entrar na cidade não podem ultrapassar a velocidade de dez quilómetros por hora. Em mais de uma década não houve uma única morte por acidente rodoviário.

Para garantir a segurança à noite, a cidade galega repensou o sistema de iluminação para evitar ruas escuras e dar visibilidade máxima aos peões nas áreas onde há carros.

As luzes adaptam-se ao ritmo humano: ficam mais brancas nas primeiras horas do anoitecer e depois mudam de cor.

"No final do dia, a luz fica agradável e pacífica. Não há poluição luminosa. Acaba por ser uma luz que nos convida ao descanso, à calma, à tranquilidade e finalmente ao sono", explicou Ángel González, presidente executivo da Setga.

Menos carros, significa também menos ruído e um ar mais puro. Em 2014 a ONU considerou Pontevedra como a cidade europeia mais agradável para viver.