Há mais de uma semana sem luz, Amapá registra 5ª noite de protestos contra rodízio de energia

·1 minuto de leitura
PM tentou desmobilizar ato que seguiu por mais de 8 horas  (Foto: Ângelo Fernandes/Arquivo Pessoal)
PM tentou desmobilizar ato que seguiu por mais de 8 horas (Foto: Ângelo Fernandes/Arquivo Pessoal)

Há mais de uma semana sem luz, o Amapá registrou a 5ª noite seguida de protestos contra o apagão de energia que chega ao nono dia nesta quarta-feira (11). Na noite de ontem (10), manifestantes se reuniram pedindo regularidade do fornecimento de eletricidade.

Segundo os manifestantes, o sistema de rodízio, ligado por apenas 6 horas por dia de maneira alternada, apresenta falhas no atendimento da população. O governo federal prevê que a distribuição volte a 100% até o fim de semana. No entanto, o prazo judicial obriga uma solução até quinta-feira (12).

O grupo, formado inclusive por crianças e idosos, queimou pneus e pedaços de madeira. Segundo a Polícia Militar (PM), houve dificuldades em conter os manifestantes. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) também afoi acionada para controlar a situação no local.

Leia também

Segundo balanço da polícia, entre sexta-feira (6) e a madrugada de terça-feira (10), foram mais de 50 atos contra o problema. Um dos protestos desta terça-feira bloqueou por cerca de 8 horas a BR-210, na Zona Norte de Macapá. Centenas de moradores se reuniram em frente ao conjunto habitacional Macapaba, que tem 4 mil moradias populares.

Na sexta-feira (6), um menino de 13 anos, morador de Macapá, foi atingido nos olhos por um tiro de bala de borracha e corre o risco de perder a visão. Ele foi atingido durante uma manifestação contra o apagão no estado do Amapá.

O governo alega que o apagão se deu por conta de um incêndio que atingiu uma subestação de energia em Macapá na terça-feira (3).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos