Habib Jemli é escolhido para ser primeiro-ministro na Tunísia

Deputados tunisianos reunidos para a primeira sessão do Parlamento após eleições de outubro, na Tunísia, em 13 de novembro de 2019

O partido de inspiração islâmica Ennahdha, que terminou em primeiro nas legislativas da Tunísia, propôs ao ex-secretário de Estado Habib Jemli formar o próximo governo, disse nesta sexta-feira à AFP Imed Khemiri, porta-voz deste movimento.

O líder histórico do Ennahdha Rached Ghannouchi já tinha sido eleito nesta quarta-feira presidente do Parlamento.

"Ennahdha propôs Habib Jemli para o cargo de chefe de governo", disse Khemiri à AFP. O Ennahdha tinha até sexta-feira para anunciar o nome da pessoa escolhida para formar um Executivo.

Engenheiro agrícola de formação, Jemli, de 60 anos, é um ex-secretário do Ministério da Agricultura, de 2011 a 2014, nos dois governos de Hamadi Jebali e Ali Larayedh, do movimento Ennahdha.

Em seu currículo, ele diz que não tem "nenhuma afiliação política". O presidente da República, Kais Saied, acadêmico sem partido eleito em 13 de outubro, deve encarregar formalmente Jemli de formar o governo.

Ele tem um mês, renovável uma vez, para executar esta tarefa, e depois o governo deve ser aprovado por uma maioria de deputados. Na falta dessa, o presidente Saied poderá propôr outro chefe de governo.