Habib's ofereceu dinheiro para família abandonar caso, diz defesa de João Victor

Fachada do restaurante Habib’s, na Vila Nova Cachoeirinha, em São Paulo (SP), onde o adolescente morreu (Newton Menezes/Futura Press)

O escritório FC Advogados, que presta serviço à família de João Victor Souza de Carvalho, 13 anos, morto em frente ao Habib’s da Vila Nova Cachoeirinha, na Zona Norte de São Paulo, no último dia 26 de fevereiro, afirma que o advogado do estabelecimento entrou em contato com a família do jovem oferecendo dinheiro para que eles abandonassem o caso, de acordo com informações da Ponte Jornalismo.

A suposta proposta de R$ 100 mil foi recusada pelo pai do menino, Marcelo Fernandes de Carvalho, segundo a assessoria de imprensa do escritório.

Em nota enviada à reportagem, o escritório afirmou que os advogados da família não receberam a proposta da rede de fast-food.

Na última manifestação realizada no dia 1º de abril para pedir justiça no caso, Marcelo teria dito ao advogado da lanchonete, Ismael Barbosa, que iria à imprensa denunciar a tentativa de suborno. O jurista, no entanto, insistiu dizendo que não tentou suborná-lo.

Procurada pela reportagem da Ponte Jornalismo, o restaurante declarou, em nota, que respeita a decisão judicial e reafirma que segue à disposição das autoridades e que colabora com as investigações.