Hackers chineses roubam R$ 104 milhões de programas sociais dos EUA

Grupo hacker APT41 teria roubado R$ 104 milhões de programas sociais do governo dos EUA
Grupo hacker APT41 teria roubado R$ 104 milhões de programas sociais do governo dos EUA
  • Autoridades especulam que ataques tenham sido feito em nome do governo chinês;

  • APT41 é conhecido por realizar ataques para ganho financeiro;

  • Hackers teriam roubado pelo menos R$ 104 milhões em auxílios do governo americano.

Hackers, supostamente apoiados pelo estado chinês, roubaram milhões de dólares de programas sociais dos Estados Unidos. As informações são do Serviço Secreto americano.

O grupo de hackers, denominado de APT41, teria pego pelo menos US$ 20 milhões (R$ 104 milhões) de benefícios de auxílios à COVID-19, como fundos do seguro-desemprego americano e empréstimos para administração de pequenas empresas. O golpe teria sido realizado em mais de uma dúzia de estados dos EUA desde 2020, informou a NBC.

Ainda não está claro que os hackers realizaram os furtos para ganho pessoal ou em nome do governo chinês. No entanto, especialistas de segurança cibernética americanos afirmam que este pode ser o primeiro caso de fraude pandêmica ligada a cibercriminosos estrangeiros apoiados por um governo.

Em um comunicado oficial, o Serviço Secreto dos EUA definiu o APT41 como um “grupo de ameaças cibernéticas patrocinado pelo Estado chinês, altamente hábil em conduzir missões de espionagem e crimes financeiros para ganho pessoal”.

O grupo é conhecido por lançar operações cibernéticas tanto para ganhos financeiros, quanto para fins de espionagens clássicas. De acordo com o governo americano, o grupo está sob vigilância do FBI desde antes da pandemia. “Essas vítimas incluíam empresas na Austrália, Brasil, Alemanha, Índia, Japão e Suécia”, observou o FBI.

Em 2020, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos indiciou cinco membros do grupo de hackers por terem feito mais de 100 empresas vítimas de seus golpes nos Estados Unidos e no exterior. Em sua mira estão companhias das mais variadas, desde aquelas ligadas à computação, como videogames, fabricantes de computadores e de desenvolvimento de software, a até manufatura, educação, telecomunicações e mídia social, além de órgãos governamentais e de defesa.

“Infelizmente, o partido comunista chinês escolheu um caminho diferente para tornar a China segura para cibercriminosos, desde que eles ataquem computadores fora da China e roubem propriedade intelectual útil para a China”, disse o então vice-procurador-geral Jeffrey A Rosen.