Hackers invadem cerimônia de sinagoga no Rio e postam ataques a judeus e vídeos pornográficos

·2 minuto de leitura

Um grupo de hackers invadiu, na noite deste domingo, dia 22, uma cerimônia virtual promovida pela Associação Religiosa Israelita (ARI) para homenagear Dora Fraifeld, ex-diretora da escola Eliezer Max, em Botafogo, na Zona Sul do Rio. Os criminosos postaram na página do evento online, que reunia 50 pessoas, mensagens de ódio a judeus e ainda vídeos pornográficos. A informação foi publicada na coluna de Ancelmo Gois, em O GLOBO. O caso será registrado na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi).

As mensagens com xingamentos e ameaças aos judeus começaram a ser enviadas pouco depois das 19h por meio da plataforma virtual em que acontecia o evento. “Vou entrar em sinagogas e matar todos para ver o sofrimento de vocês, judeus imundos”, “Vamos queimar a ARI” e “Morte aos judeus”, diziam alguns dos textos. Logo depois, foi postado um vídeo em um casal aparece fazendo sexo. O responsável pela administração da página então cancelou a reunião e abriu um novo link.

Para Alberto David Klein, presidente da Federação Israelita do Estado do Rio (Fierj), as ofensas simbolizam um ataque de ódio a grupos minoritários.

- Esse grupo se aproveitou de um evento aberto ao público para entrar na plataforma e soltar frases com insinuações de apologia ao nazismo. Nossa preocupação é que, com a proximidade do Ano Novo Judaico, que tem início em 6 de setembro, as cerimônias presenciais e virtuais se intensificam e, com isso, o risco de novos ataques também. Classificamos essas ações como terroristas, pois geram pânico, medo e terror.

A Fierj vem acompanhando os casos de intolerância e nota um aumento considerável desses crimes. Ele explica que é preciso educação e conscientização para que a sociedade aceite a diversidade. Há duas semanas, O GLOBO mostrou que foi instaurado um inquérito para apurar o crime de preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional em panfletos com ofensas a judeus jogados em ruas de condomínios da Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio. Os milhares de papéis com a mensagem: “Judeus acumuladores compulsivos de ouro diamante e dólares” estavam no chão do Mundo Novo e Américas Park durante um fim de semana e chamaram a atenção dos moradores.

Na ocasião, Paulo Maltz, presidente do Conselho Estadual de Defesa e Promoção da Liberdade Religiosa (Coneplir), informou que, em casos de ataques apócrifos, cuja origem é desconhecida, os criminosos se valem do anonimato para que os casos permaneçam impunes:

- Mensagens de ódio propagadas na internet ou por meio de panfletos sem assinaturas são acobertadas pelo manto da quase impossibilidade de identificação para que se combata o racismo. Infelizmente, os tempos atuais são estranhos e todas as religiões têm sofrido com a polarização da sociedade. Isso nos preocupa e nos alerta para a necessidade de denunciar, discutir e orientar para a aceitação de todos - disse.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos