Hackers "pró-Rússia" bloqueiam site do Parlamento da UE por horas

Presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola

Por Bart H. Meijer e Sabine Siebold

BRUXELAS (Reuters) - O site do Parlamento Europeu ficou indisponível por várias horas nesta quarta-feira devido a um ataque de hackers "pró-Kremlin" que restringiu o serviço, depois que seus parlamentares designaram a Rússia como um Estado patrocinador do terrorismo, disse a presidente da instituição.

O site do Parlamento voltou a funcionar pouco depois das 17h, cerca de duas horas após a instituição ter relatado a interrupção.

"O Parlamento Europeu está sob um ataque cibernético sofisticado. Um grupo pró-Kremlin reivindicou a responsabilidade", disse a presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, em um tuíte logo após o site cair.

"Isso, depois de proclamarmos a Rússia como um Estado patrocinador do terrorismo. Minha resposta: SlavaUkraini (glória à Ucrânia)", disse ela.

A interrupção foi causada por um ataque distribuído de negação de serviço (DDoS), que funciona direcionando grandes volumes de tráfego da internet para determinados servidores em uma tentativa relativamente pouco sofisticada dos chamados "hacktivistas" para derrubá-lo do ar.

Esses ataques geralmente não causam muitos danos.

Um porta-voz do Parlamento não respondeu imediatamente a perguntas sobre qualquer dano.

Mais cedo nesta quarta, os parlamentares aprovaram declarar a Rússia um Estado patrocinador do terrorismo, argumentando que os ataques militares de Moscou contra alvos civis, como infraestrutura de energia, hospitais, escolas e abrigos, violavam o direito internacional.