Haddad conta como começou costura de chapa Lula-Alckmin

PT e PSB costuraram aliança em São Paulo, com Haddad candidato a governador e França como candidato a senador, e no cenário nacional, com chapa Lula-Alckmin (Foto: NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images)
PT e PSB costuraram aliança em São Paulo, com Haddad candidato a governador e França como candidato a senador, e no cenário nacional, com chapa Lula-Alckmin (Foto: NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images)

Fernando Haddad (PT), candidato ao governo do estado de São Paulo, foi um dos articuladores da aliança entre Lula (PT) e Geraldo Alckmin (PSB), candidato à presidência e vice. Até 2018, o petista e o ex-governador eram opositores.

Em entrevista a um podcast, Haddad contou que o primeiro passo partiu dele, quando tentava convencer Alckmin a abrir o palanque em São Paulo – já que o ex-tucano ainda pensava em ser candidato a governador – para Lula.

“Tentando fazer o Alckmin abrir o palanque pro Lula como candidato a governador – e eu também. E eu falei ‘abre a campanha para o Lula’. Conversando com um amigo dele, ele falou ‘bom, se a conversa está boa assim, por que ele não pode ser vice do Lula?’. Eu fiz cara de paisagem, não podia passar recibo. Liguei para um amigo do Alckmin, falei ‘ouvi um troço que bateu’. Quando eu contei pro cara, o cara falou ‘será?’”, relatou ao podcast Bocas Ordinárias.

Depois da sugestão, Haddad procurou Lula e ficou receoso sobre qual seria a reação do ex-presdente. “Eu estava no diretório nacional do PT, em uma reunião. Esperei as pessoas saírem, fechei a porta e falei para ele: ‘cara, vou te falar uma coisa que, se você falar não, essa conversa nunca existiu. Se você não disser não, eu vou me sentir autorizado a tocar.’”

A reação, surpreendentemente, foi positiva, segundo Fernando Haddad. “Quando eu falei, o olhinho dele brilhou, ele pôs a mão no bigode e disse: ‘Haddad, a política é extraordinária’”, contou, imitando a voz de Lula.