Haddad, cotado para a Fazenda, se reúne com ministro Paulo Guedes em Brasília

Ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad é o mais cotado para ser o futuro ministro da Economia de Lula - Foto: JOSEPH EID/AFP via Getty Images
Ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad é o mais cotado para ser o futuro ministro da Economia de Lula - Foto: JOSEPH EID/AFP via Getty Images

Fernando Haddad (PT), apontado para chefiar o Ministério da Fazenda no governo do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), se reuniu na manhã desta quinta-feira (8) com o atual titular do Ministério da Economia, ministro Paulo Guedes. As informações são do portal G1.

O encontro entre o petista e o atual ministro durou pouco mais de uma hora e segundo Haddad, a conversa com Guedes foi "excelente", "cordial" e "educada".

"Passamos em revista vários assuntos importantes. Em uma reunião de uma hora e meia não é possível esmiuçar todos os assuntos, mas foi uma excelente reunião. Reunião muito boa, muito bem recebido. Definimos uma agenda de trabalho a partir da semana que vem", afirmou Haddad.

Além disso, o Fernando Haddad disse que concluídos os relatórios dos grupos de transição, será preciso se reunir com integrantes dos autos ministérios para ter mais detalhes das agendas e cronogramas de trabalho de cada área, como políticas públicas que serão executadas.

“Uma transação normal, natural. A gente quer que seja a mais suave possível e com os desdobramentos que todos esperamos, que o Brasil cresça mais, gere mais oportunidades”, disse.

O petista informou que foi ao ministério da Economia como integrante do grupo da área na equipe de transição de governo. Ele disse que responde pela interface política do grupo com a equipe de Guedes.

"O plano geral de voo foi tratado com ele [Guedes] tanto daquilo que ele entende que está pegando ao país, quanto aquilo que pretendemos fazer a partir do ano que vem. Uma conversa muito importante porque você garante que muitos projetos tenham continuidade", disse.

Segundo a equipe de transição do governo eleito, que assume em 2023, deve ser proposto o desmembramento do atual Ministério da Economia em três pastas, do Planejamento, Fazenda e da Indústria e Comércio Exterior.

Retomando a distribuição que havia antes do governo Jair Bolsonaro (PL), quando todas estas pastas foram fundidas no atual Ministério da Economia, sob comando de Paulo Guedes.

Os Ministérios do Trabalho e da Previdência estavam sob a alçada da economia, no início do governo, mas foram separados em 2021.