Em meio a crise com PSB no Rio, Haddad defende que PT mantenha apoio a Freixo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O pré-candidato do PT a governador em São Paulo Fernando Haddad defendeu nesta quarta-feira o apoio do partido a Marcelo Freixo (PSB), pré-candidato ao governo do Rio de Janeiro. Ele disse estar preocupado com o racha entre o PT e o PSB no estado.

Leia mais: “Está faltando PDT nesse palanque”, diz Haddad

Guia O GLOBO Eleições: conheça os pré-candidatos ao governo e ao Senado nos estados e quem eles apoiam para presidente

— Vejo com preocupação, porque temos grande condição de ganhar a eleição no Rio de Janeiro. Temos um candidato que, se não é o líder, está próximo do líder, uma figura louvável — afirmou Haddad em uma coletiva de imprensa após um evento com empresários na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

O diretório estadual do PT no Rio aprovou a retirada do apoio a Freixo nesta terça-feira. Mas, para validar a decisão, é necessário o aval da executiva nacional do partido, que ainda irá analisar o tema.

O presidente estadual petista, João Maurício de Freitas, afirmou que o rompimento aconteceu devido à insistência do PSB em manter a candidatura de Alessandro Molon (PSB) ao Senado. O PT lançou ao cargo o presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), André Ceciliano.

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, apoiou Molon para seguir na corrida, compondo com Ceciliano duas candidaturas ao Senado na chapa de Freixo ao governo do Rio. Mas a opção é rejeitada pelo PT-RJ.

O PSB ocupa a vaga de senador na chapa de Haddad, com o ex-governador Márcio França. O ex-governador iria se candidatar ao governo de São Paulo, mas desistiu para formar aliança com o PT no estado. O PSB também tem o posto de vice, com Geraldo Alckmin, na chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para a eleição presidencial deste ano.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos