Haddad lembra que Bolsonaro fugiu de debate e desmente fake news no SBT

Fernando Haddad. Foto: Júlio Zerbatto/Futura Press

Fernando Haddad (PT) concedeu entrevista para o SBT na noite desta quarta-feira. O candidato não revelou nenhum nome de um futuro ministério em seu governo, mas disse que já fez algumas sondagens com nomes que ele respeita como o filósofo Mario Sergio Cortella e o ex-ministro do STF, Joaquim Barbosa.

Haddad também comentou as declarações de Cid Gomes. O senador cearense protagonizou um vídeo que viralizou em que cobra uma autocrítica do PT e chama militantes do partido de babacas. O candidato minimizou o caso e fez questão de lembrar que Cid gravou um vídeo de apoio em sua campanha.

Ibope: Doria e França empatados tecnicamente
FHC diz que porta para Haddad enferrujou
Renan Calheiros faz prognóstico desanimador sobre possível governo Bolsonaro

O petista ponderou sobre erros de seu partido e respondeu todas as perguntas com tranquilidade e apresentou propostas para combater a violência.  Um de seus projetos é fazer com que a Polícia Federal passe a investigar o crime organizado. Desse modo, a polícia militar e a civil de cada estado teria melhores de combater homicídios, roubos e sequestros.

Fernando Haddad falou sobre sua experiência como Ministro da Educação e lembrou de algumas realizações suas como o Prouni, FIES sem fiador e a construção de universidades federais e técnicas em cidades-polo de todo o país. E também lembrou dos milhares de postos de trabalho gerados no governo Lula.

Por fim, Haddad aproveitou uma pergunta sobre um de seus livros para desmentir uma série de mentiras sobre ele espalhadas por meio do aplicativo WhatsApp. “Meu adversário não vem a debate, mas tem feito uma prática muito vil. Ele tem mudado o miolo dos meus livros e deturpado o conteúdo. Ele foi condenado pelo TSE por mentira que tem espalhado de que eu teria distribuído material impróprio para crianças de seis anos. Espalharam até um vídeo sobre eu ser dono de uma Ferrari. Nem carro eu tenho”, explicou.  A decisão do TSE citada pelo petista diz respeito a um suposto kit gay idealizado pelo petista. A informação é falsa e Jair Bolsonaro foi proibido de falar sobre isso.

Levantamento feito pela agência Lupa aponta que as dez fake news que tiveram maior alcance no primeiro turno conseguiram mais de 865 mil compartilhamentos nas redes sociais. Todas da lista ou favoreceram Bolsonaro ou foram contra seus adversários.