Haddad se diz "esperançoso" com sentimento nas ruas

MARINA DIAS E CATIA SEABRA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O candidato do PT ao Planalto, Fernando Haddad, votou pouco antes das 10h30 deste domingo (28) em uma escola na zona sul de São Paulo ladeado por apoiadores que, com flores e guarda-chuvas coloridos, cantavam e gritavam palavras de ordem de apoio ao petista.

Alguns opositores, moradores de prédios vizinhos ao colégio eleitoral, saíram nas suas varandas e bateram panela em oposição ao herdeiro de Lula.

Haddad disse estar “esperançoso” com o que chamou de uma “forte tendência de alta” nas pesquisas. Segundo o petista, há muita gente nas ruas “para defender o Brasil e a democracia”.

“Sinto nas ruas do Brasil muita militância cidadã, cidadãos comuns indo às ruas para defender o Brasil e a democracia”, disse o presidenciável. “Estamos com uma forte tendência de alta, estou muito esperançoso de que vamos ter um grande resultado hoje à noite”, completou.

Haddad aposta no discurso de que é possível reverter a vantagem de dez pontos que seu adversário, Jair Bolsonaro (PSL), tem sobre ele de acordo com a pesquisa Datafolha divulgada neste sábado (27).

Os dados mostram o capitão reformado com 55% dos votos válidos contra 45% de Haddad -a diferença caiu de 18 para 10 pontos em nove dias.

“Meu sentimento é que hoje o que está em jogo é a democracia no Brasil. O país está numa encruzilhada e o projeto de nação que representamos ganhou as ruas nessa última semana”, afirmou Haddad.

Antes de votar, o candidato do PT participou de um café da amanhã com dirigentes petistas e aliados num hotel.

"Estou sempre em frestas". Foi com essa expressão que ele descreveu sua trajetória política ao ser abordado pelo deputado Paulo Teixeira na chegada ao local.

"Vamos abrir essa fresta", disse Paulo Teixeira, encorajando o candidato.

Foi aí que Haddad disse viver em frestas. O comentário é uma alusão aos resultados eleitorais passados.

Em 2012, quando concorreu à Prefeitura de São Paulo pela primeira vez, Haddad disputou até a véspera com Celso Russomanno a vaga no segundo turno, chegando lá com pouco mais de seis pontos de diferença.

Na tentativa fracassada de reeleição, só melhorou seu desempenho na última semana. Ainda assim, João Doria (PSDB) venceu em primeiro turno com pouco mais de 53% dos votos.

Haddad negou que esteja decepcionado com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ou com o pedetista Ciro Gomes, aos quais pediu um apoio mais explícito neste segundo turno.

"Não há nenhuma decepção. Eu festejo os apoios que foram declarados. Muita gente que poderia estar recolhida se manifestou nos últimos dias. Apoios significativos. Eu não quero mencionar um a um. Eu estou muito feliz com isso. Mas não só com o apoio das personalidades. Estou feliz com o apoio do cidadão comum, da cidadã, que foi à rua defender o Brasil", disse.

"Agradeço muito as manifestações de apoio dos últimos dias. Pessoas que, com coragem, se dispuseram a ir para a rua, panfletar, conversar com as pessoas. Isso é muito significativo. Vamos olhar para os brasileiros que tiveram, num momento difícil da vida nacional, tiveram uma postura de honradez, defendendo o Brasil e a democracia", afirmou Haddad.

O candidato deve passar parte da tarde em casa, com a família, e acompanhar a apuração em um hotel na zona sul da capital paulista.