Haiti condena as declarações 'racistas' de Trump sobre migrantes

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
O ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse a quatro ex-colaboradores para não cooperarem com uma investigação do Congresso sobre o ataque de 6 de janeiro realizado por seus apoiadores, informou a mídia americana (AFP/Eric BARADAT)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O Haiti denunciou neste sábado (9) as declarações "racistas" do ex-presidente norte-americano Donald Trump, que garantiu que a entrada de migrantes daquele país nos Estados Unidos coloca os americanos em risco diante da pandemia de Aids.

"O Haiti tem um grande problema com a Aids. Muitas dessas pessoas provavelmente têm Aids, elas vêm para o nosso país e não fazemos nada", disse o ex-presidente à Fox News. "É como um desejo de morte para o nosso país".

De acordo com dados do Banco Mundial, a prevalência de HIV no país caribenho tem diminuído continuamente nos últimos 15 anos e agora é estimada em 1,9% da população de 15 a 49 anos.

A embaixada haitiana em Washington condenou as "declarações racistas e infundadas sobre os migrantes haitianos, em particular, e a população haitiana em geral, do Sr. Donald J. Trump".

“Esses comentários vis tem com objetivo semear ódio e discórdia contra os migrantes”, denunciou a embaixada em um comunicado.

A chegada, em meados de setembro, de mais de 30 mil migrantes - em sua maioria haitianos - à fronteira entre México e Texas gerou fortes críticas ao governo de Joe Biden por parte do Partido Republicano, que acusou o presidente de ter relaxado as políticas de imigração de Trump.

Em menos de três semanas, mais de 7.500 migrantes haitianos, 20% deles crianças, foram expulsos pelos serviços de migração dos Estados Unidos, que fretaram 70 aviões para a capital, Porto Príncipe, e Cap Haitien, a segunda maior cidade do país.

A embaixada haitiana em Washington também considerou que "o povo civilizado (...) não deve ficar indiferente a esta enésima difamação do povo haitiano pelo ex-presidente Trump".

Em uma reunião privada, em janeiro de 2018, o então chefe de estado dos EUA chamou o Haiti e várias nações africanas de "países de merda".

amb/cjc/arb/dg/lm/ap

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos