Haiti prepara funeral de seu presidente assassinado

·3 minuto de leitura
Una fotografía del presidente asesinado Jovenel Moise en una ceremonia en su honor en Puerto Príncipe

Sob rígidas medidas de segurança, o Haiti prepara o funeral do presidente assassinado Jovenel Moise, 15 dias após um crime que abalou ainda mais um país atolado na pobreza, corrupção e instabilidade política.

O chefe de Estado, morto a tiros aos 53 anos por um comando armado, será sepultado na sexta-feira (23) em Cap-Haitien, capital do Departamento do Norte, vizinho de sua região natal.

A segunda maior cidade do Haiti acordou calma nesta quinta-feira, diferente do dia anterior, quando confrontos foram registrados em razão da presença do diretor-geral da Polícia Nacional, Léon Charles.

O oficial foi vaiado ao inspecionar os dispositivos de segurança instalados para o funeral. Ele não participou nesta quinta de manhã de uma missa realizada na catedral.

Os haitianos o culpam por não ter conseguido proteger o presidente Moise, cujo assassinato foi perpetrado no meio da noite sob a aparente passividade dos agentes encarregados da guarda de sua casa.

Até o momento, mais de 20 pessoas foram presas pelo ataque, a maioria colombianos, e a polícia afirma que o plano foi organizado por haitianos com ligações fora do país e ambições políticas. Porém, o caso continua obscuro, com muitas perguntas sem resposta.

O Haiti é atormentado pela insegurança e pelas gangues, um flagelo que foi agravado durante a presidência de Moise.

Sua morte reacendeu tensões históricas entre o norte do Haiti e o oeste, onde fica a capital, Porto Príncipe. Entre outros fatores, existe um antigo antagonismo entre os negros descendentes de escravos do norte e os mestiços, também chamados mulatos, do sul e do oeste.

Os moradores do norte lembram que Moise é o quinto chefe de Estado daquela região a ser assassinado no oeste, depois de Jean-Jacques Dessalines, Cincinnatus Leconte, Vilbrun Guillaume Sam e Sylvain Salnave.

Alguns chegaram a erguer barricadas nas estradas que levam a Cap-Haitien para impedir que as pessoas da capital comparecessem ao funeral.

"Faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para honrá-lo da forma que ele merece, conforme sua importância para a nossa cidade", disse o prefeito da cidade, Yvrose Pierre.

- Eleições -

A catedral de Nossa Senhora da Assunção em Cap-Haitien realizou uma missa nesta quinta-feira, enquanto em Porto Príncipe várias cerimônias em homenagem ao presidente assassinado foram realizadas durante a semana.

Uma delas contou com a presença de Ariel Henry, o novo primeiro-ministro, que assumiu na terça-feira prometendo restaurar a ordem para organizar as eleições exigidas pela população e pela comunidade internacional.

O Departamento de Estado dos EUA nomeou nesta quinta-feira um novo enviado especial ao Haiti com a tarefa de ajudar a promover a organização das eleições.

Por enquanto, o país não tem um parlamento funcional e poucos senadores eleitos. O governo interino instalado nesta semana não tem presidente.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, ligou para Henry nesta quinta-feira para expressar o "compromisso de Washington em apoiar o povo haitiano após o hediondo assassinato" de Moise.

Os Estados Unidos e a França fizeram apelos pela realização no Haiti de eleições legislativas e presidenciais livres e justas o mais rápido possível.

Moise governou o país, o mais pobre das Américas, por decreto depois que as eleições legislativas de 2018 foram adiadas devido a várias disputas.

Além das eleições presidenciais, legislativas e locais, o Haiti tinha marcado para setembro um referendo constitucional, que já foi adiado duas vezes devido à pandemia do coronavírus.

str-seb/led/lm/lda/mr/ic

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos