Henrique Capriles afirma ter sido atacado com "bombas" na sede de seu partido

Caracas, 8 abr (EFE).- O duas vezes candidato à presidência da Venezuela, Henrique Capriles, disse neste sábado que foi atacado com "bombas" quando estava na sede de seu partido, Primero Justicia (PJ), após participar de um protesto antigovernamental na cidade de Caracas.

"Urgente!!! Fomos atacados com bombas (...) Os bombeiros estão trabalhando no local!" escreveu Capriles em sua conta no Twitter.

O líder da oposição, que ontem foi informado sobre sua inabilitação para cargos públicos por 15 anos, perguntou diretamente ao presidente venezuelano, Nicolás Maduro, se a "ordem" era para matá-lo junto com sua equipe de trabalho.

"Qual é a ordem, Maduro? Matar-nos? Se algo acontecer, vocês sabem quem é o responsável e sabem o que têm que fazer!!!", acrescentou o opositor.

Quase imediatamente o prefeito do município de Baruta, o opositor Gerardo Blyde, disse que ninguém ficou ferido, apesar de o incêndio ter danificado a sede do partido.

Blyde também declarou que o fogo foi controlado e não há risco de afetar os edifícios que cercam a sede do Primero Justicia.

Capriles estava na sede do partido depois de participar de um comício da oposição para exigir a realização de eleições e apoiar uma iniciativa do parlamento para remover sete juízes do Tribunal Supremo de Justiça.

Este protesto pretendia chegar à sede da Defensoria Pública, mas foi dispersado com gás lacrimogêneo pelas forças de segurança venezuelanas. EFE