Henrique Paim vai coordenar área de Educação da equipe de transição

O ex-ministro Henrique Paim vai coordenar o núcleo de Educação da equipe de transição do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva. O grupo completo deve ser definido nesta terça-feira em uma reunião em São Paulo convocada pelo ex-prefeito Fernando Haddad.

A socióloga Neca Setúbal, aliada da deputada federal eleita Marina Silva (Rede-SP), vai participar do encontro e deve colaborar com o grupo de transição. Ministro da Educação entre 2005 e 2012, Haddad recebeu de Lula na semana passada a missão de montar a equipe da área.

O ex-prefeito alegou que não poderia se estabelecer em Brasília agora e, por isso, não seria o coordenador. Haddad é cotado para assumir outras pastas, como a Fazenda, Planejamento ou Casa Civil. Em conversas internas, ele também tem afirmado não ter intenção de voltar ao comando da Educação.

Para o Ministério da Educação (MEC), o nome mais falado entre os petistas é o da atual governadora do Ceará, Izolda Cela (sem partido).

Escalado para coordenar a equipe de educação na transição, Paim foi secretário-executivo do MEC entre 2006 e 2014. Antes, havia presidido o Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação (FNDE). Em fevereiro de 2014, foi nomeado ministro pela presidente Dilma Rousseff. Ficou no posto até o fim do primeiro mandato da petista. Atualmente, é professor da FGV.

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, tem enfatizado que indicações para transição não significam necessariamente lugar no ministério de Lula.

Lula em Brasília

Os aliados do presidente eleito avaliam que será necessário reconstruir as políticas do Ministério da Educação, que foram desmontadas durante o governo de Jair Bolsonaro. Além disso, terá que ser criado um programa para recuperar o déficit de aprendizagem dos alunos provocado pela pandemia.

Além das definições sobre nomes para os postos de transição, o presidente eleito discutiu ontem com aliados a sua agenda para os próximos dias. Ele embarca para Brasília na noite desta terça-feira, onde deve se encontrar com os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Supremo Tribunal Federal, Rosa Weber.

As visitas ao chefes dos Poderes serão a primeira aparição pública de Lula desde que foi eleito no último dia 30. Nesta terça-feira, a expectativa é que o novo presidente se dedique a ligações para chefes de Estado.

Na próxima semana, o petista participará da COP27, a conferência do clima organizada pela ONU, no Egito. Na volta da conferência, ele deve visitar Portugal.