Henrique Ramiro relembra bastidores de ‘Gente inocente’ e papéis em ‘Sítio do Picapau Amarelo’: 'Divisor de águas'

1 / 6

ba6f3295-52fa-4acc-8816-ae13fd3e29cc.jpg

Aos 32 anos, Henrique Ramiro se lembra com carinho dos bastidores do programa que lhe abriu as portas para a TV. Foi a partir do dominical ‘Gente inocente’, comandado por Márcio Garcia há vinte anos na Globo, que o loirinho carismático e falante descobriu, com dez anos, seu gosto pelos estúdios.

Não demorou muito para o ex-ator mirim aparecer com frequência nas telinhas, fosse em um dos 180 comerciais como garoto-propaganda que fez na infância, ou em papéis no ‘Sítio do Picapau Amarelo’ e novelas subsequentes. Sem atuar desde 2015, porém, Henrique atualmente trabalha em uma agência de atores e modelos, mas segue em busca de novos papéis na frente das câmeras.

“A participação em ‘Gente inocente’ foi um grande divisor de águas, uma escola”, diz ele, que relembra o ambiente agradável dos bastidores. “As gravações eram feitas no fim de semana e, como tinham crianças do Rio e de São Paulo, a brincadeira já começava no aeroporto mesmo. Não via a hora de chegar o final de semana para ver meus amigos e trabalhar. Pra gente, era como uma brincadeira de criança no final de semana”, conta.

Além do clima amigável entre as crianças, que lhe rendeu uma amizade até hoje com o músico Leandro Léo, também integrante do programa, a relação com Marcio Garcia era muito familiar. “O Marcio sempre foi um paizão. Se a gente ficava triste, ele levava a gente pro camarim, batia um papo. Também fazia surpresas, comemorávamos aniversários... Ele estava sempre junto. Era uma parceria de irmão mais velho misturado com pai. Até hoje sou grato pela amizade que tive e por tudo que ele me ensinou”, recorda.

Se a espontaneidade dos pequenos era o requerido em ‘Gente inocente’, os trabalhos posteriores em séries e novelas exigiram maior seriedade do ator, que atribui ao dominical o ganho de maturidade necessário para outras interpretações. “Graças ao ‘Gente inocente eu estava preparado para assumir (personagens no ‘Sítio do Picapau Amarelo’) e foi uma grande responsabilidade. (...) Ali já era um trabalho, estudava de manhã e trabalhava de tarde. Eram muitas cenas por dia, muito texto pra decorar…”, conta Henrique, que interpretou o menino bruxo e o protagonista ‘João da luz’. “Foi ali que tive certeza que queria aquilo pra mim”.

 

E foi com a certeza da escolha pela carreira artística que o ator participou de diversas produções. Ao todo, foram duas séries e duas novelas na Rede Globo, com destaque para o personagem ‘Lucas’, em ‘O Profeta’, ‘Chico’, em ‘Queridos amigos’, e ‘Saulo’ em ‘Casos e Acasos’. Em 2010, Henrique migrou para a emissora Record, onde sua participação mais recente foi na novela ‘Vitória’, em 2015.

Enquanto não surgem outros trabalhos na TV, Henrique trabalha com a mãe na agência de modelos e aproveita para experimentar outros caminhos. “Fiz curso de investimento da bolsa, sou bem curioso. Também tenho vontade de abrir uma produtora com um amigo aqui em São Paulo”, revela.

Apesar das outras possibilidades profissionais, atuar continua sendo seu foco, e nem mesmo a quarentena o impede de buscar pela sua vocação. “(Sigo) Tentando uma oportunidade na televisão. Estou na batalha ainda, não tá fácil, mas tenho esse plano B da agência com a minha mãe. Toco minha vida com isso, mas sempre buscando testes. É isso que eu amo fazer de verdade e é o que sei fazer, tá no sangue”, afirma.