Na Colômbia, Hernández aceita debater com Petro, mas impõe série de condições

O candidato de esquerda à Presidência da Colômbia, Gustavo Petro, aceitou nesta quinta-feira todas as condições que seu adversário, o populista de direita Rodolfo Hernández, impôs para um debate antes do segundo turno de domingo. Ainda não está claro quando o evento irá acontecer, mas na quarta a Justiça emitiu uma ordem obrigando os políticos a agendarem um debate até hoje.

'Risco' de vida: Candidato populista à Presidência da Colômbia cancela atividades públicas por medo de confrontos

Espanha: Justiça admite denúncia contra candidato à Presidência da Colômbia por sequestro de jornalista

Entenda: Por que a esquerda nunca chegou ao poder na Colômbia?

Hernández, o milionário excêntrico que surpreendeu ao chegar no segundo turno com um discurso anticorrupção, se recusava a debater com o ex-guerrilheiro Petro, considerando os debates presenciais "polarizantes e odiosos". Após o veredicto de quarta, contudo, emitiu uma série de condições que o favorecem para participar.

Demandou que o debate aconteça na cidade da qual é ex-prefeito, Bucaramanga, seja moderado por jornalistas que considera alinhados à sua campanha e que a maior parte dos assuntos pautados não sejam as plataformas de campanha de ambos, mas as polêmicas relacionadas ao seu adversário. Tudo deve acontecer em exatos 60 minutos e as respostas devem levar cinco minutos.

Se a intenção era que a evidente falta de neutralidade assustasse, Petro, que pode se tornar o primeiro presidente de esquerda da Colômbia, não hesitou:

— Podem pôr as condições que quiserem, não tenho problema. Estou disposto a ir até Bucaramanga. Onde ele quiser — disse Petro, que defende há semanas a realização de um embate entre os candidatos.

Contexto: Esquerda pode estar perto do teto no segundo turno da Colômbia, e direita apoiará populista

Campanha eleitoral: Estrategista argentino usou redes sociais para levar o populista Rodolfo Hernández ao segundo turno

A Justiça ordenou a ambos candidatos "que, no prazo de 48 horas (...), solicitem e programem conjuntamente, até quinta-feira, 16 de junho de 2022, a realização de um debate presidencial no sistema de mídia pública". De acordo com o tribunal, os debates são "um direito do candidato de expor suas ideias, mas ao mesmo tempo um dever para com o conglomerado social".

A equipe de Petro havia dado seu aval ao sistema de mídia pública RTVC, responsável pela organização do evento. Hernández, por outro lado, pediu um esclarecimento do veredicto que obrigou o debate a acontecer, em uma tentativa de fazer o tempo passar. Horas depois, contudo, emitiu o comunicado impondo suas condições:

“Também estou pronto, como estou há 50 anos, quando decidi construir casas, criar empregos, pagar impostos e não viver como um burocrata”, diz a carta.

Referindo-se Petro, disse que a ordem do tribunal foi promovida por "você e seus afiliados" e que seu direito de debater foi transformado em uma obrigação “stalinista”. Afirmou, contudo, que acata a ordem e pede que o debate seja realizado nas próximas 12 horas:

“Como se um debate fosse capaz de apagar nosso passado e os rodolfistas de coração, ou militantes eleitorais que há quatro anos eram 8 milhões e agora são 8 milhões e meio (o número de eleitores do Petro), fossem mudar de ideia sobre o que é dito ou não dito no místico e endeusado debate”, escreve.

Guga Chacra: O colombiano Hernández é diferente de Bolsonaro

Brasil: Governo Bolsonaro teme vitória da esquerda na Colômbia e envia general ao país

Ao responder à “carta provocativa”, o político de esquerda voltou a mostrar sua disposição de debater frente a frente com o adversário:

“Estou feliz que você concordou em debater”, afirmou. “No entanto, não imponho condições a este debate. Nenhuma. Deixo nas mãos do sistema de mídia pública RTVC todos os detalhes do debate: desde os moderadores, até os tópicos, incluindo, é claro, aqueles que você pleiteia”.

Petro continuou:

“Você diz que aceita o debate. Não é verdade. Querendo impor condições, você zomba do debate, da Justiça, da mídia e dos colombianos. Não importa. Seu desprezo pelas menores normas democráticas é total e revelador. Seu desprezo pelos milhões de colombianos que têm o direito de comparar nossas plataformas e soluções é muito revelador. Vejo vocês em Bucaramanga, claro”.

Na reta final da campanha, os candidatos tentam convencer os abstencionistas (45%), a maioria jovens e os indecisos. As pesquisas registram empate técnico nas intenções de voto. Petro, de 62 anos, se impôs no primeiro turno com 40% dos votos e enfrentará no segundo turno Hernández, de 77 anos, que surpreendentemente retirou a direita da disputa pelo poder ao conseguir a segunda melhor votação (28%).

O político, que engloba todo seu programa no combate à corrupção, foi o candidato que mais cresceu na reta final da corrida presidencial. Ele recebeu o apoio da direita e de outras forças tradicionais para a votação, numa espécie de frente “antipetrista” que o aproxima do poder. Petro, que pode se tornar o primeiro presidente da esquerda na história da Colômbia, está ganhando apoio de setores do centro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos