Hidroxicloroquina aumenta mortes em pacientes com covid-19, mostra estudo

·5 minuto de leitura
Photograph of hydroxychloroquine sulphate tables in a white coloured box in front of a red coloured board with coronavirus outbreak mentioned
Hidroxicloroquina tem sido usada no Brasil, mesmo após contraindicações (Foto: Getty Images)
  • Hidroxicloroquina aumenta mortalidade de pacientes com covid-19

  • Cloroquina não tem influencia nem na mortalidade nem na recuperação de pacientes

  • Presidente Jair Bolsonaro incentivou o uso dos dois medicamentos no Brasil

O uso de hidroxicloroquina por pacientes com covid-19 gerou um aumento na mortalidade. É o que mostra um estudo publicado na última quinta-feira (15) na revista científica Nature.

Em relação à cloroquina, o estudo aponta que o medicamento não tem influência, ou seja, não aumenta a chance de o paciente morrer, mas tampouco ajuda na recuperação. Foram analisados 19 estudos envolvendo os dois medicamentos.

Leia também

“Descobrimos que a o tratamento com hidroxicloroquina está associado com o aumento de mortes de pacientes com covid-19, e não há benefícios na cloroquina”, diz a publicação.

Foram considerados estudos clínicos feitos randomicamente com pacientes com casos confirmados ou suspeitos de covid-19, submetidos a um tratamento com cloroquina e hidroxicloroquina. Ao mesmo tempo, foi analisado um grupo de controle, que recebeu placebo ou nenhum tratamento.

"Esse estudo é uma meta-análise, publicada em uma das revistas científicas mais importantes do mundo", aponta o médico Gerson Salvador, especialista em infectologia e em saúde pública. "Quando a gente pega uma meta-análise, ele faz uma avaliação criteriosa de outros estudos. Então, o estudo tem bastante pdoer quando é bem realizado, quando tem um bom critério de escolha dos artigos."

"É uma evidência definitiva. A gente já estava convencido, mas é uma evidência definitiva para quem ainda prescreve cloroquina dizendo que não tem estudos, não tem dados, que indica com potencial beneficio", afirma. "Então, quem está dando esse medicamento, está aumentando a chance de as pessoas morrerem."

De acordo com o médico, a hidroxicloroquina é uma cloroquina modificada e costuma ter menos efeitos adversos. Mas, o efeito biológico das duas é o mesmo. 

Uso de medicamentos no Brasil

TOPSHOT - Brazilian President Jair Bolsonaro shows a box of hydroxychloroquine to supporters outside the Alvorada Palace in Brasilia, on July 23, 2020. - In a study published in
Presidente Jair Bolsonaro segura uma caixa de hidroxicloroquina (Foto: Evaristo Sá/AFP via Getty Images)

“A partir desse estudo, podemos dizer que a hidroxicloroquina está associada ao aumento de mortes da covid-19, sim. Então, as pessoas que tomam hidroxicloroquina para tratar covid tem um risco maior de morrer”, explica o médico Gerson Salvador. “Segundo esse estudo, a cloroquina não fez diferença no desfecho, nem aumentou de a pessoa morrer, nem diminuiu.”

Gerson Salvador acredita que o uso da hidroxicloroquina pode estar associado ao alto número de mortes por covid-19 no Brasil. O médico lembra que, durante o colapso do sistema hospitalar em Manaus, quando faltava oxigênio, a cloroquina e a hidroxicloroquina não estavam em falta.

“Não só a hidroxicloroquina e a cloroquina não tem efeito contra o coronavírus, elas podem produzir efeitos colaterais, efeitos adversos graves. E além do mais, houve um deslocamento da agenda no Brasil de controle da covid. Em vez de medidas de distanciamento, medidas sanitárias, compra de insumos para melhor assistência, a gente viu o governo federal, o presidente da República e seus ministérios produzindo a distribuindo cloroquina”, aponta.

“Não tenho dúvida nenhuma que a questão da cloroquina tem a ver com o pior manejo da pandemia do Brasil. Com outros problemas, mas a apologia à cloroquina e à hidroxicloroquina com certeza contribuiu.”

Mesmo antes do estudo, os medicamentos já eram comprovadamente ineficazes, mas, ainda assim, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (sem partido) segue falando em “tratamento precoce”, feito com os dois remédios e outros mais.

Em 4 de fevereiro, o presidente se defendeu ao falar dos medicamentos: “Pode ser que, lá na frente, falem que a chance é zero, que era um placebo. Tudo bem, me desculpe, tchau. Pelo menos não matei ninguém", afirmou o presidente. "Agora, se porventura mostrar eficácia, você que criticou, parte da imprensa, vai ser responsabilizada. Pelo menos moralmente. E aí? Vão continuar me chamando de genocida?", atacou.

Mortes após o uso de cloroquina e hidroxicloroquina

Nebulização de hidroxicloroquina

Um homem de 69 morreu na cidade de Alecrim, no Rio Grande do Sul, após receber nebulização com hidroxicloroquina. Lourenço Pereira estava com Covid-19 e teve o tratamento prescrito pelo médico Paulo Gilberto Dorneles.

De acordo com informações do jornal Zero Hora, o caso aconteceu em março. Lourenço realizou quatro sessões de nebulização com hidroxicloroquina diluída, apesar de a família do paciente não ter autorizado o uso do medicamento.

Casos no Rio Grande do Sul

Três pacientes com Covid-19 medicados com hidroxicloroquina inalável morreram em Camaquã, no Rio Grande do Sul, entre 22 e 24 de março. O tratamento experimental, que é feito por meio da nebulização da droga diluída em soro fisiológico, foi defendido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em uma live na semana passada.

De acordo com o portal gaúcho GZH, o Hopistal Nossa Senhora Aparecida, onde os pacientes estavam internados, ainda não confirma que as mortes têm conexão direta com o tratamento alternativo. No entanto, os enfermos, que tinham estados clínicos graves e estáveis, morreram após o início da nebulização.

Piada na França

O primeiro-ministro da França, Jean Castex, fez críticas ao Brasil durante uma sessão do parlamento. Ele mencionou que o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) recomendou o uso da hidroxicloroquina como tratamento para a covid-19. A constatação fez os parlamentares rirem.

Castex fez a observação enquanto anunciada a suspensão de voos entre Brasil e França.

“O presidente da Repúclica, em 2020, aconselhou a prescrição de hidroxicloroquina”, disse o primeiro-ministro, enquanto os parlamentares riam. “Gostaria de lembrar que o Brasil é o país que mais prescreveu [a cloroquina].” O discurso foi transmitido pela emissora LCP na última terça-feira (13).

“A gravidade da situação no Brasil é cansativa. Eu lhes recordo, diante da representação nacional, que sofre uma situação absolutamente dramática, e a periculosidade da variante do mesmo nome que, efetivamente, apresenta dificuldades reais”, disse Castex ao anunciar a suspensão dos voos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos