A história das 14 mulheres liberadas de uma clínica psiquiátrica na Alemanha que virou livro no Peru

Retrato de Teresa Ruiz Rosas
Retrato de Teresa Ruiz Rosas

Novembro de 1984. Um grupo de 14 mulheres está na estação de trem na cidade alemã de Stuttgart prestes a pegar vários trens para suas respectivas casas. A cena está longe de ser um acontecimento casual: é um ato incomum de libertação.

Trata-se da liberação de pacientes que até poucas horas estavam internadas em um prestigiado centro psiquiátrico.

Anne Kahl, alemã nascida em 1942 na cidade bávara de Berchtesgaden e secretária da clínica, encarregava-se de enviar essas mulheres para suas casas, onde continuariam seus tratamentos longe da reclusão alienante nas instalações do excêntrico e brilhante doutor Curtius Tauler.

Embora os nomes sejam todos fictícios e os prontuários inventados, a trama central do livro publicado no Peru é real.

Foi assim que a própria Anne Kahl contou à escritora peruana Teresa Ruiz Rosas, que anos depois decidiu contar essa história incrível em seu romance "Estación Delirio", com o qual ganhou o Prêmio Nacional Peruano de Literatura 2020.

A escritora, nascida em Arequipa em 1956, vive na cidade alemã Colônia há mais de duas décadas, embora sua intenção seja se mudar para Barcelona em breve.

Filha do poeta José Ruiz Rosas, a autora entrelaça saúde mental com feminismo, arte e literatura em seu premiado romance.

A BBC Mundo conversou com ela no âmbito do Hay Festival Arequipa que acontece entre 3 e 6 de novembro na cidade peruana Arequipa.

"Estación Delirio" (Estação Delírio, na tradução literal para o português) gira em torno de Anne Kahl, uma mulher que trabalha em uma famosa clínica alemã no início dos anos 1980, e foi encarregada de libertar 14 pacientes. Quanta realidade há nessa história?

Há muita realidade. A Anne Kahl de "carne e osso" era uma amiga minha, muito mais velha que eu, que conheci nos últimos anos da escola em Arequipa.

Assim como no livro, ela estava lá porque seu marido era um cooperador. Ficamos amigas por causa do idioma. Eu falava alemão porque tinha sido educado em uma escola peruana alemã.

Tínhamos uma amizade muito legal.

A certa altura, ela me escreveu e me contou sobre esse trabalho na clínica psiquiátrica e depois sobre a alta dos pacientes.

Teresa Ruiz Rosas com sua amiga Anne Kahl
Teresa Ruiz Rosas conheceu sua amiga alemã Anne em Arequipa e mantiveram contato por carta durante anos. Eles se encontraram novamente em Stuttgart em 1977.

Tudo isso é verdade, o que eu inventei foram as histórias de cada uma das 14 pacientes liberadas, porque eu não tive acesso ao prontuário, e a Anne não me contou por questão de sigilo profissional.

Além disso, ela já morreu há muitos anos. O que fiz foi refrescar minha memória para escrever sobre isso.

Também é verdade que o psiquiatra deu às pacientes um sedativo para que pudessem voltar para casa. Ele as havia preparado para que mais tarde pudessem ficar sem ele.

O psiquiatra era um homem que poderia ter se aposentado há oito anos, mas que continuou a dirigir a clínica. A certa altura, quando ele queria se aposentar, não conseguia pensar em uma maneira melhor do que fechar a clínica e mandar as pacientes para casa.

Enquanto escrevia o romance, consegui localizar o médico assistente-chefe. Ele já era nonagenário, mas me recebeu. Ele ficou muito animado com o fato de que eu estava escrevendo sobre o tema.

Foi ele quem me disse que 14 mulheres foram liberadas. Eu não sabia o número exato antes.

O diretor da clínica é um psiquiatra alemão famoso por sua aplicação de eletrodos em suas terapias...

Isso foi o mais interessante.

Na verdade, minha amiga me contou como essas pacientes adoravam esse psiquiatra, como voltaram e como queriam essa terapia. Elas o viam como seu redentor.

Aparentemente tem um efeito muito positivo, quando bem dosado, que certamente terá consequências mais tarde, mas ele aplicava bem [a terapia].

Alguns anos antes de publicar o romance, dei-o a uma amiga minha que dirige uma grande clínica psiquiátrica nos Estados Unidos para que ela pudesse ler, e ela também me disse algumas coisas que depois alterei no texto.

Ele me explicou que é uma terapia que atualmente é usada com muita cautela, mas que os estados mais graves de depressão só se curam com essa terapia, que não tem outro jeito.

Se eles realmente querem evitar que uma pessoa cometa suicídio, essa terapia é aplicada e, em muitos casos, funciona.

O problema, como em muitas coisas, é o abuso que foi feito e quantas pessoas que provavelmente não precisavam também foram diagnosticadas, fazendo com que essa terapia fosse administrada de forma brutal. Há histórias de terror.

Duas enfermeiras aplicando l terapia com eletrochoque em um paciente
A terapia eletroconvulsiva (ECT) ou terapia de eletrochoque entrou em uso na década de 1930.

O que mais o surpreendeu em sua pesquisa em psiquiatria para escrever este livro?

Além do que já falei sobre a aplicação de eletrodos, aprendi muito sobre a história da psiquiatria em geral, sobre as coisas horríveis que eram feitas antes dos anos 50, 60.

E pude ver quanto abuso há das pílulas, um assunto muito sensível e muito polêmico.

Ouvi falar de tristes casos de vícios nesse tipo de medicamento, que não vão ao fundo do problema que levou a pessoa ao estado de necessitar tratamento. São usados não para resolver a angústia, mas apenas como um paliativo. Claro que existem fatores genéticos, mas isso é outro assunto.

Mas nos casos em que a genética não é o fator determinante, sempre ou quase sempre há uma experiência ou muitas experiências traumáticas e você não as apaga com uma pílula.

No romance, ele lembra a frase do escritor Friedrich Glauser: "Nunca podemos traçar a linha entre um doente mental e uma pessoa normal". Você concorda?

Acho que há muita verdade nisso. De fato, Glauser estave em um hospital psiquiátrico e escreveu romances memoráveis lá. Lembro-me do ditado, que acho que ouvi de meu pai pela primeira vez, "de médico, poeta e louco, todos nós temos um pouco".

Se pensarmos no presente, podemos pensar em todas as atrocidades que acontecem dentro das quatro paredes de milhões de casas das quais ninguém sabe nada. Pessoas que parecem estar muito bem do lado de fora.

Isso é saúde mental. Existem pessoas que maltratam, que estupram, que se aproveitam das outras e andam soltas e até têm empregos - elas estão bem da cabeça? Acredito que não.

Em particular é muito difícil saber o que está acontecendo. A gente descobre aos poucos. Você só sabe o que acontece em público.

Se um pobre coitado saiu nu na rua, chama a atenção, mas se faz barbaridade dentro de casa, ninguém sabe. É por isso que toda essa definição ou categorização é uma questão tão delicada. Com todo respeito aos psiquiatras.

Capa do livro "Estación delirio"
Silvia Olazábal, de Arequipa, amiga do protagonista, é o alter ego do escritor.

A história de cada uma das 14 mulheres da clínica também reflete o que significa viver em uma realidade que oprime, objetifica e destrói as mulheres. Como você selecionou essas histórias?

O fato de a clínica ser apenas para mulheres já me inspirou a tocar no assunto das mulheres que, em geral, tiveram menos oportunidades naquele momento de desenvolver todo o seu potencial como seres humanos.

A primeira ou segunda onda do grande feminismo estava apenas começando a dar frutos na época. A mulher ainda tinha que cumprir um papel subordinado.

Queria destacar essa dificuldade ou impossibilidade das mulheres poderem ter uma vida completamente emancipada como podem agora se quiserem.

Mulher detida em protesto em maio de 1968, em Paris
O Movimento de Maio Francês de 1968 lançou as bases para a explosão do feminismo na França, uma luta que se concretizaria em 1970 com o Movimento de Libertação das Mulheres.

Tanto a alemã Anne quanto a peruana Silvia lutam contra os padrões patriarcais, que diferença você vê entre as duas sociedades?

O caso da Alemanha é uma sociedade que vivenciou esse feminismo que surgiu a partir do maio francês de 1968. Um de seus legados é a revolução sexual e dentro dela está o feminismo, que uma mulher pode decidir sobre seu corpo como bem entendesse.

Mas a Alemanha também tem muita migração. As pessoas que vieram trouxeram outros costumes e dinâmicas e a maior das minorias é muçulmana. E já sabemos como cultura muçulmana enxerga as mulheres.

Além disso, na Alemanha não há apenas numerosos feminicídios pelas mãos de alemães, mas também não podemos esquecer o número de alemães que vão à Tailândia para comprar sexo com adolescentes.

E então toda a questão que denunciei em meu romance anterior, "Nada que declarar: El libro de Diana". A questão da legalização da prostituição que no final, o que foi conquistado é pior do que a prostituição forçada.

Os ônibus chegam a lugares remotos para fazer turismo sexual. Se isso não é sexista e não é antifeminista, por favor, me explique o que é.

Além disso, a diferença é que há uma classe média muito grande na Alemanha com muitas mulheres muito avançadas nesse assunto e elas carregam isso com absoluta naturalidade. Elas nunca considerariam a subordinação ou submissão. Isso também é um fato.

E o que acontece no Peru? Em Arequipa?

Arequipa cresceu muito e isso traz mudanças inevitáveis.

Embora existam alguns aspectos, quase culturais, como o arranjo pessoal das mulheres para agradar os homens, que ainda estão vivos, as mulheres estudaram e têm independência econômica, o que é um fator chave. Dentro de seus próprios núcleos familiares elas já não permitem mais uma série de coisas.

Há homens que nunca foram machistas de coração. Eles podem ter sido mais ou menos culturalmente machistas, mas nunca tiveram uma alma machista.

Eles veem de forma positiva e não se sentem ameaçados pelo fato de que as mulheres agora têm os mesmos direitos, as mesmas possibilidades e que querem ganhar a mesma quantia de dinheiro pelo mesmo trabalho.

Mas há outros homens, muito poucos, que se sentem ameaçados, que no fundo têm um complexo de inferioridade, porque em muitos casos não podem se defender sem uma mulher que resolva suas vidas, por exemplo, ou que esteja por trás de ajudá-los com tudo.

Eles veem que seu poder não será mais o mesmo e que eles estarão abaixo. Esses são os que são irrefutavelmente contra e são violentos e muitas vezes até matam. Acho que essa é outra questão chave.

Embora o machismo esteja necessariamente retrocedendo por diferentes razões, mas o triste é que ainda há feminicídios, que ainda há violência sexista nos lares.

Este artigo faz parte do Hay Festival Arequipa, encontro de escritores e pensadores que acontece de 3 a 6 de novembro de 2022. Você pode ler toda a cobertura da BBC Mundo sobre Hay Arequipa, em espanhol, clicando aqui.

- Este texto foi publicado em https://www.bbc.com/portuguese/internacional-63530114

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!