Histórica derrota na Baviera para os aliados de Merkel

Por Isabelle LE PAGE
1 / 3
O chefe de governo do estado da Baviera, Markus Soeder, informa sobre os primeiros resultados adversos ao seu partido nas eleições de 14 de outubro de 2018

O partido conservador CSU, aliado ineludível da chanceler alemã, Angela Merkel, registrou neste domingo (14) um forte retrocesso nas eleições regionais na Baviera, ao perder sua maioria absoluta frente ao auge dos Verdes e da extrema direita, segundo pesquisas das emissoras televisivas públicas ARD e ZDF.

A União Cristã Social (CSU) do chefe de governo do estado, Markus Soeder, aparece em primeiro lugar, mas apenas com 35,5% dos votos, ou seja, com uma perda de 12 pontos em relação a 2013, e alcança o seu nível mais baixo desde os anos 1950.

O outro aliado da chanceler a nível nacional, o SPD, obteve menos de 10% dos votos, e se viu superado pelos Verdes (18-19%) e pelo partido anti-imigração Alternativa para Alemanha (AfD), com 11%.

O quinto lugar na contagem de votos, de acordo com as projeções, fica para os liberais do FDP, com 5%.

Os resultados, antecipados nas pesquisas dos últimos dias, reforçam o risco de uma crise dentro da CSU, cujo presidente é o ministro do Interior, Horst Seehofer, e poderia ter impacto no frágil governo central.

Além disso, as eleições na região de Hesse em duas semanas também se anunciam muito disputadas, desta vez para o partido de centro-direita de Angela Merkel, a União Democrata-Cristã (CDU), que governa no estado com os ecologistas.

"Isso é uma clara advertência para a CDU e, por essa razão, a nossa prioridade nas próximas duas semanas deve ser Hesse", disse neste domingo a secretária-geral do partido, Annegret Kramp-Karrenbauer, na véspera de uma reunião de cúpula da CDU com a participação de Merkel.

As duas eleições "afetarão a política nacional e, consequentemente, a reputação da chanceler", havia advertido o presidente da Câmara dos Deputados, Wolfgang Schäuble, fiel companheiro de fileiras de Merkel.

- Eleições antecipadas -

Entretanto, uma das líderes da ultradireitista AfD pediu ao governo que "libere o caminho para eleições antecipadas".

"Os que votaram AfD na Baviera disseram também 'Que Merkel vá embora'", enfatizou Alice Weidel.

No poder da primeira economia da Europa há 13 anos, a posição da chanceler em seu país enfraqueceu desde as legislativas federais de 24 de setembro de 2017, nas quais o partido de ultradireita AfD registou uma ascensão fulgurante.

O auge dessa formação se viu favorecido pela chegada de mais de um milhão de refugiados entre 2015 e 2016, apesar da política migratória alemã ter endurecido desde então.

Merkel precisou de seis meses para formar um governo, com um SPD em plena crise e reticente em integrar uma nova grande coalizão.

Uma pesquisa nacional divulgada neste domingo pelo jornal Bild outorga à dupla CDU/CSU magros 26% de simpatia, enquanto o social-democrata SPD está com 17%, no mesmo nível que os Verdes, e apenas à frente da extrema direita, que tem 15%.

Na católica Baviera, os 35% da CSU ficam muito abaixo dos quase 48 pontos percentuais alcançados em 2013. O partido tentou captar o eleitorado da extrema direita, chegando a imitar a retórica agressiva contra os refugiados, mas sem sucesso aparente.

Horst Seehofer levou o governo central à beira da ruptura ao exigir que endurecesse mais a política migratória e ao apoiar sem rodeios o chefe dos serviços de Inteligência Interior, suspeito de conluio com a extrema direita.

No entanto, o partido que mais coloca a CSU na berlinda não é o AfD, mas os Verdes, que conquistaram o apoio de quase um em cada cinco eleitores.

"Finalmente haverá democracia na Baviera, a hegemonia terminará", tuitou antes da votação um dos líderes da formação ecologista.

Uma coisa parece certa: a CSU terá que encontrar um ou vários sócios para formar uma coalizão.

Por enquanto, o chefe do governo regional, Markus Söder, descartou a possibilidade de se aliar com os ecologistas, embora não se saiba se continuará no cargo.