História de Cafu se torna saga para motivar alunos da rede pública do Brasil

O pentacampeão Cafu e a escritora Mariah Morais. Foto: Divulgação
O pentacampeão Cafu e a escritora Mariah Morais. Foto: Divulgação

A história do Cafu é cheia de camadas. Do garoto pobre que saiu do Jardim Irene, em São Paulo, ao homem que é o único a disputar três finais de Copa do Mundo consecutivas (com dois títulos), ele se solidificou como um dos maiores nomes do futebol.

Sempre relacionado à imagem de capitão do penta, Cafu entendeu que sua trajetória poderia ser inspiradora para tantos jovens que lutam em condições adversas no Brasil. Por isso, mantém projetos sociais — em Alagoas, por exemplo, faz parte do projeto Cafuzinhos do Sertão, que visa combater a desnutrição através do esporte. Trinta famílias no povoado Pedrão em Olho d'água das Flores são atendidas.

Leia também:

A ideia da ‘Saga Cafu’ surgiu e ganhou contornos com a escolha da escritora Mariah Morais, parceira em alguns projetos da carreira do ex-jogador. Segundo ele, a escolha se deu por serem pessoas parecidas, de crescimento e princípios humanitários semelhantes. Outros autores já tentaram se responsabilizar pela biografia, mas só agora ela se materializou.

“A Mariah é uma grande escritora. Veio de um bairro simples, humilde, como eu, e sempre soube que queria ser escritora. Quando contei as histórias da minha vida, ela se emocionou e eu percebi que seria uma pessoa capaz de contar essa minha história como se fosse a dela. Quebramos um paradigma ao colocar uma mulher na posição de escrever uma biografia assim, mas esse é um espaço que sempre devemos estar construindo”, disse o ex-jogador, por telefone.

Mariah e Cafu já realizaram um pré-lançamento da saga de livros no Catar, já que o capitão do penta é um dos embaixadores da Copa do Mundo deste ano. O próprio projeto terá mais escritores, já que cinco alunos da rede pública brasileira serão escolhidos para escreverem o prefácio da biografia completa do atleta, que será lançada antes da Copa. 'Destacamos um capítulo, para realizar esse concurso e incentivar as crianças, não somente o hábito da leitura, mas também da escrita', comenta a autora.

“Foi uma honra poder contar a história do Cafu e ser uma mulher a fazê-lo. Nós temos 27 anos de amizade. Meu forte sempre foi na literatura infantil, com dois best-sellers, então me desafiei com esse conteúdo. A vida profissional do Cafu traz muitos exemplos para as pessoas, para esses jovens que precisam saber que grandes nomes também estiveram na mesma posição que eles”, conta Mariah.

O pentacampeão Cafu e a escritora Mariah Morais. Foto: Divulgação
O pentacampeão Cafu e a escritora Mariah Morais. Foto: Divulgação

A escritora relembra que muitos momentos da carreira de Cafu foram difíceis, como quando um de seus irmãos, Maurício, deixou de jogar futebol e foi trabalhar para que o então menino Marcos pudesse seguir o sonho da família toda — ele seria, ainda, dispensado de alguns clubes antes que tudo engrenasse.

“Acredito que o Cafu seja um personagem único por tudo o que conquistou nos clubes e na seleção. São conquistas muito particulares. É um ser humano que está envolvido na inclusão, motivado em ajudar pessoas, e existem histórias que poucas pessoas ficaram sabendo. Há muita perseverança no garoto que saiu do Jardim Irene para levantar a taça de pentacampeão do mundo”, complementa a autora.

O ano de 2022 casou com os objetivos da publicação. São vinte anos do pentacampeonato mundial do Brasil, o último grande desempenho do país em uma Copa do Mundo, no qual Cafu foi responsável por levantar a taça. São também 14 anos desde o último jogo profissional de Cafu, pela equipe do Milan.

“É muito mais difícil [atingir metas] quando a sociedade não te dá oportunidades. Acordava às 4h, comia alguma coisa, às 5h pegava ônibus para treinar às 9h. Às vezes eu jogava pior do que os outros meninos porque eles tinham uma noite inteira para dormir e moravam perto do campo de treinamento. Então eu me vejo nessas crianças [carentes], porque infelizmente a vida só dá duas opções para os que nascem com dificuldades extremas: você pode ir pro mau caminho ou tentar perseverar. O segundo envolve muita luta. O que as pessoas não entendem é que os jogadores de futebol tentam alcançar o sucesso não porque o objetivo é ter fama, mas para ajudar seus familiares e amigos a sair da pobreza”, analisou Cafu.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos