Homem é condenado a 23 anos de prisão por sequestrar, abusar sexualmente e tentar matar criança

O II Tribunal do Júri condenou a 23 anos e 10 meses de prisão, na última terça-feira (19), Carmelito Correa de Oliveira pela tentativa de homicídio, cárcere privado e atentado violento ao pudor contra uma criança de 10 anos, em 2006, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio.

De acordo com a denúncia do Ministério Público do Rio (MPRJ), o preso abordou a vítima na manhã de 6 de junho de 2006, no bairro do Rio Comprido, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Após enganar a vítima com informações falsas, ele levou a criança para uma casa abandonada na Estrada do Mendanha, em Campo Grande, onde cometeu os crimes. As agressões não causaram a morte da vítima, que foi encontrada e socorrida por moradores da região na noite do mesmo dia em que foi abordada.

Carmelito já havia sido preso pelo homicídio de outra criança em Seropédica, e em 2020 teve prisão preventiva novamente decretada, atendendo a um pedido do MPRJ. O acusado já cumpre pena há dois anos e um mês. A pena inicialmente será cumprida em regime fechado, sem direito ao condenado recorrer em liberdade, uma vez que, de acordo com a sentença, o delito apurado possui elevada gravidade e diante do tamanho considerável da pena, o acusado poderia fugir para evitar o cumprimento.

O promotor de Justiça Bruno de Faria Bezerra, responsável pela sustentação oral, destacou no julgamento a perversidade de Carmelito, que após satisfazer sua lascívia, agrediu severamente a vítima, de 10 anos, para ocultar o crime que praticou. "Felizmente, após 16 anos, a vítima pôde estar em plenário e relatar a violência que sofreu por parte do predador sexual, de modo que o mesmo pudesse ser responsabilizado e permanecer encarcerado para que não faça outras vítimas", ressaltou ele.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos