Homem armado é detido após colocar pedestres em perigo na Bélgica

Por Nastassja RANKOVIC con Toni CERDÀ en Bruselas
Local onde o homem foi preso

As forças de segurança belgas detiveram nesta quinta-feira um motorista por circular em alta velocidade pela principal via comercial da Antuérpia (norte) com armas na mala do veículo, um dia após a morte de três pessoas em um ataque extremista em Londres.

Por volta das 10h45 locais (06h45 de Brasília), um veículo com placa francesa circulava pela artéria comercial de Meir em alta velocidade, "colocando em risco em várias ocasiões" os pedestres, indicou o Ministério Público Federal (MPF) belga, encarregado dos casos de terrorismo.

O primeiro-ministro belga, Charles Michel, evitou chamar o caso de ataque, falando simplesmente de "um incidente suspeito".

A Procuradoria belga identificou o detido como Mohamed R., um homem de 39 anos de nacionalidade francesa e residente na França, enquanto uma fonte da Polícia assegurou que se trata de um tunisiano com visto de residência na França.

Questionada sobre se o incidente poderia ter sido considerado um ataque, uma fonte próxima às autoridades belgas indicou à AFP que é "muito cedo para dizer" e informou que a investigação revelará suas intenções.

A Procuradoria indicou que o motorista fugiu quando "militares tentaram interceptar o veículo", antes de ser detido um pouco mais tarde pela "equipe de intervenção rápida da polícia da Antuérpia".

A mala do carro continha armas brancas e um tambor com um "produto ainda indeterminado" em seu interior, assim como um fuzil, informou.

Segundo uma fonte próxima da investigação, o homem, conhecido da polícia por crimes comuns, estaria "sob a influência" de alguma substância, que não soube identificar.

O chefe da polícia local, Serge Muyters, descreveu em uma coletiva de imprensa o motorista como "um homem de origem norte-africana", vestido com uma roupa camuflada.

Vigilância reforçada

"A vigilância foi reforçada na Antuérpia, o que quer dizer que há maior vigilância policial nos lugares onde há muitas pessoas", acrescentou.

O incidente na Antuérpia foi registrado um dia após um atentado que deixou três mortos nas imediações do Parlamento britânico, em Londres, enquanto a Bélgica lembrava o primeiro aniversário dos atentados terroristas de Bruxelas, que mataram 32 pessoas.

No Twitter, o prefeito da Antuérpia agradeceu "aos militares que agiram, aos serviços da polícia e à equipe de intervenção rápida".

O primeiro-ministro belga, Charles Michel, disse por esta rede social que o governo acompanhava a situação na cidade flamenga, ao mesmo tempo em que parabenizou seus serviços de segurança. "Seguimos vigiando", acrescentou.

Desde os atentados terroristas de Paris, em novembro de 2015, e da capital belga, em março de 2016, ambos reivindicados pela organização Estado Islâmico (EI), a Bélgica se encontra em um nível de alerta terrorista 3 em uma escala que vai até 4.

Além disso, operações policiais são realizadas quase todas as semanas e os militares seguem patrulhando as grandes cidades do país, especialmente os locais mais sensíveis.

A Antuérpia, a segunda maior cidade da Bélgica e o segundo porto europeu, atrás do holandês Roterdã, acolhe uma importante comunidade de origem estrangeira e confissão muçulmana, assim como uma importante comunidade judia ortodoxa, famosa por suas atividades no setor de diamantes.