Homem é preso em flagrante por esfaquear mulher em São Cristóvão, Zona Norte do Rio; criança ficou ferida

Um homem foi preso em flagrante por tentativa de feminicídio em São Cristóvão, Zona Norte do Rio. Acionada por populares, a Polícia Militar encontrou uma mulher ferida por arma branca e uma criança ferida sem gravidade. Não há informações, no entanto, sobre o estado de saúde dos dois.

Operação em comunidades: Após morte na Maré, manifestantes fecham Avenida Brasil e entram em confronto com PM

Investigação do MP: Ex-chefe da Polícia é denunciado por ajudar delegado em flagrante forjado

O Corpo de Bombeiros foi acionado por volta das 16h para prestar socorro aos feridos e ainda está no local. Devido à ação da PM e dos Bombeiros, a rua São Cristóvão foi interditada na altura da rua Antunes Maciel.

Crescimento de casos de feminicídio

Os casos de feminicídio aumentaram 18,75% no Estado do Rio na comparação dos seis primeiros meses deste ano com o mesmo período do ano passado. De acordo com um levantamento do Instituto de Segurança Pública (ISP), 48 mulheres foram mortas entre janeiro e junho do ano passado. Já este ano, no mesmo período, o número chegou a 57 vítimas. Em 26 de julho, duas mulheres foram mortas pelos seus ex-companheiros. No Centro do Rio, Sarah Jersey Nazareth Pereira, de 23 anos, levou pelo menos 16 tiros de Queven da Silva e Silva, de 26, na frente dos dois filhos, um garoto de 4 anos e uma menina de apenas 2 meses. O criminoso possuía 47 anotações criminais e estava foragido da Justiça desde 2016.

Números impressionam: Justiça concedeu 15 mil medidas protetivas, só este ano, para vítimas de violência doméstica

Dados do Formulário Nacional de Avaliação de Risco desenvolvido pelo Conselho Nacional de Justiça e pelo Conselho Nacional do Ministério Público mostram que o controle excessivo, escalada da violência e vulnerabilidade são as principais questões analisadas para medir o grau do risco de feminicídio para mulheres que vivem em situações de violência doméstica. Dentro dessa lógica, a gravidez e o nascimento dos filhos acendem o sinal de alerta. O Formulário, utilizado desde 2020, é dividido inicialmente em três partes: histórico de violência, perfil do agressor e perfil da vítima. Na primeira etapa, são feitas perguntas diretas sobre os tipos de violência que essa mulher já sofreu e as circunstâncias dessas agressões.