Homem é preso por estuprar a sobrinha durante dois anos seguidos em Goiás

Um homem foi preso por estupro de vulnerável contra a própria sobrinha, de 10 anos, em Alto Paraíso de Goiás (GO). As investigações apontam que a vítima foi abusada sexualmente durante dois anos consecutivos. A previsão preventiva do acusado foi decretada no último sábado (11).

Vídeo: Indígenas denunciam agressão e falas racistas de prefeito de Mangaratiba (RJ), após desentendimento por terra

Veja ainda: Brasileiras são presas nos EUA por esquema de desconto de cheques que movimentou R$ 895 milhões

Ratanabá: cidade perdida na Amazônia é real ou não? Entenda

Corpus Christi é feriado? Em 10 capitais, data religiosa é ponto facultativo; saiba quais são

De acordo com a Polícia Civil, parte da família da criança tinha conhecimento dos abusos, mas nunca relatou a qualquer órgão público de segurança pública ou assistência social. Somente quando o pai da vítima soube das violações, no dia 6 de junho deste ano, foi que ele prestou queixa contra o tio da menina. Na ocasião, ele apresentou vídeos do suspeito assediando a criança.

Depois que o investigado, que não teve o nome revelado, soube que foi descoberto, ele fugiu para a cidade de Brasília, no Distrito Federal. O suspeito também chegou a mandar mensagens para o pai da criança, falando que poderia “se explicar pelo que fez”.

O canto da floresta: cena de Bruno Pereira entoando música indígena vira símbolo de sua luta; veja vídeo

Em nota, a Polícia Civil de Alto Paraíso informou que, após a denúncia, expediu um mandato de prisão preventiva pelo crime de estupro de vulnerável. O homem está em uma unidade prisional da cidade e aguarda julgamento. As penas para o tipo de crime praticado pelo suspeito podem chegar a até 22 anos e seis meses de reclusão.

Brasil tem aumento de casos de abuso infantil

Um levantamento realizado pelo Ministério da Mulher e Direitos Humanos apontou que, entre janeiro e abril deste ano, foram registrados 4.486 casos de abuso sexual, mais que o dobro das denúncias no mesmo período de 2020, quando começou a pandemia. Os dados foram divulgados pelo G1.

As principais vítimas foram meninas, contra 790 casos envolvendo meninos. Mais da metade dos agressores identificados vive na mesma casa das vítimas: padrasto, madrasta, pai e mãe, tio e tia.

O aumento do número de denuncias de violência contra crianças e adolescentes este ano está relacionado com a volta às aulas presenciais. Isso porque, muitas vezes, é no ambiente escolar que o professor percebe uma mudança no comportamento do aluno e a escola aciona o conselho tutelar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos