Homem é preso por simular sequestro para extorquir a namorada

Luã Marinatto
·2 minuto de leitura
Foto: Reprodução

Um homem foi preso nesta sexta-feira em Magé, na Baixada Fluminense, por simular um sequestro para a namorada, que chegou a desembolsar R$ 2 mil na tentativa de resgatar o companheiro. Flagrado por agentes da 66ª DP (Piabetá) no momento em que recebia parte do dinheiro, Elias Teixeira de Assis, de 23 anos, acabou autuado pelo crime de extorsão.

Segundo a polícia, a vítima, de 21 anos, começou a ser enganada dois dias antes, na última quarta-feira, quando o namorado enviou mensagens de celular relatando estar sendo feito refém por bandidos. Inicialmente, a mulher entregou R$ 320 que saldariam uma dívida do parceiro, com quem se relacionava há 10 meses, mas os pedidos continuaram.

Moradora de Petrópolis, na Região Serrana, ela só decidiu procurar a delegacia, contrariando as ordens dos supostos sequestradores, quando já não tinha mais dinheiro para entregar. O autor do golpe sabia que, pouco antes, a jovem havia recebido o valor de uma rescisão trabalhista.

Nas conversas com a vítima, o rapaz chegava a dar detalhes sobre a situação em que se encontrava. "Tem uma pistola na cintura dele", dizia uma das mensagens. "Estou desesperado, não sei como cheguei a esse ponto", afirmava outra.

Em um outro momento do diálogo, Elias simulou, inclusive forjando erros de português, que o celular havia sido tomado pelos bandidos. "Se vose quizer ele de volta, trate de depozitar 200 reaiz", ameaçava. Após um pedido de comprovação de que o namorado estava bem, a vítima recebeu um áudio: "Por favor, me ajuda", implorava, com voz de choro.

- Ele inventou o nome de dois bandidos, que sequer existem: Major e Sem Deus. Em um dado momento, para justificar os pedidos por mais dinheiro, um dos "bandidos" dizia que havia expulsado o outro da favela, e que também queria a parte dele. A vítima só parou porque não tinha mais nada. Ela já estava pensando até em pegar empréstimos - conta o delegado Angelo José Lages Machado, titular da 66ª DP.

Informados pela vítima sobre o suposto sequestro, os policiais montaram uma campana para monitorar o encontro em que seria entregue o último montante pedido, dessa vez pessoalmente, através de uma vizinha de Elias. Enquanto ia carro de Petrópolis até Magé, a jovem havia sido orientada pelos falsos sequestradores a informar à mulher de que o dinheiro era para "pagar a conta de luz". Contudo, foi o próprio rapaz que apareceu para recolher o valor. Levado para a delegacia pelos agentes, ele acabou confessando a farsa.

De acordo com a Polícia Civil, as investigações continuam para localizar possíveis comparsas. Um dos objetivos é identificar os titulares das contas bancárias que receberam os primeiros depósitos feitos pela vítima.