Homem abatido em aeroporto na França atacou militares "em nome de Alá"

Luis Miguel Pascual.

Paris, 18 mar (EFE).- Um homem foi abatido neste sábado no aeroporto de Orly, em Paris, após atacar, "em nome de Alá", uma grupo de militares do dispositivo antiterrorista, uma hora e meia após atirar e ferir levemente uma policial no norte da capital francesa.

O indivíduo - identificado como Ziyed Ben Belgacem, de 39 anos, fichado pela polícia e condenado em três ocasiões a prisão por assaltos à mão armada e tráfico de drogas - também tinha sido investigado pelos serviços de inteligência da França por sua radicalização, segundo relatou o procurador de Paris, François Molins.

Essa radicalização aconteceu após uma passagem pela prisão entre 2011 e 2012, fazendo com que sua casa fosse posteriormente revistada, sob o estado de emergência decretado em 2015, sem que fossem encontrados elementos que justificassem uma atenção particular.

A investigação do caso será conduzida pelos serviços antiterroristas da Procuradoria, e três pessoas - o pai, o irmão e um primo do agressor - estão sendo interrogadas.

Os agentes encontraram na casa de Belgacem em Garge lès Gonesse, na periferia norte de Paris, cocaína, um facão e uma quantia de dinheiro.

O aeroporto de Orly foi evacuado após a ação de Belgacem - de nacionalidade francesa e nascido em Paris -, e três mil pessoas saíram do local perante o temor de o agressor estar carregando explosivos. Também foi fechado o tráfego aéreo, e cem voos foram cancelados.

Por volta das 07h50 (horário local, 3h50 de Brasília), Belgacem foi abordado pela polícia quando dirigia em alta velocidade perto de sua casa.

Após entregar seus documentos à agente, o homem sacou um revolver e atirou, causando ferimentos leves na policial, antes de fugir.

Belgacem foi a um bar da cidade de Vitry, vizinha ao aeroporto de Orly, no qual tinha estado na noite anterior com seu primo, o mesmo que se encontra detido.

Lá, ameaçou os clientes e efetuou pelo menos quatro disparos sem causar feridos, antes de fugir de novo em seu carro.

Posteriormente, roubou outro veículo, com o qual chegou ao estacionamento do aeroporto de Orly às 8h06 (4h06 de Brasília).

Minutos mais tarde, chegou à área de embarque do terminal Sul de Orly.

Sem hesitar, se atirou sobre uma militar e a agarrou pelo pescoço enquanto ameaçava com uma pistola outros dois soldados: "Larguem as armas, estou aqui para morrer por Alá, de qualquer forma vai haver mortos"

Segundo as imagens das câmeras de vigilância, a soldada lutava para se livrar do agressor, que tentava roubar sua metralhadora.

Após várias tentativas, Belgacem conseguiu pegar a arma, mas a agente conseguiu se soltar. Os soldados então abriram fogo, o que não o impediu de tentar dominar sua vítima novamente.

Um segundo disparo o derrubou, mas ele se levantou. Então foi necessário mais um tiro para matar o agressor, segundo Molins, algo que ocorreu pouco antes das 08h30 (4h30 de Brasília).

Tanto o presidente da França, François Hollande, como os ministros do Interior, Bruno Le Roux, e Defesa, Jean-Yves Le Drian, elogiaram o trabalho dos soldados e das forças de segurança.

Le Drian lembrou que é o quarto ataque contra militares do dispositivo de vigilância antiterrorista, o último no início de fevereiro no museu do Louvre.

No início da tarde, após ser comprovado que não havia explosivos, o aeroporto reabriu parcialmente, embora seu funcionamento normal não esteja garantido para amanhã, segundo seus responsáveis. EFE