Homem apontado como chefe de facção e matador de policiais é preso na fronteira do Brasil com o Paraguai

·1 min de leitura

RIO — Um homem apontado como o chefe de um braço de uma facção criminosa paulista em Minas Gerais foi preso, na manhã desta quarta-feira, na fronteira do Brasil com o Paraguai. Marcio Vinicius da Paixão Vieira, o Pica-Pau, foi localizado numa casa em Sanja Pytã, no departamento de Amambay, em Ponta Porã, cidade no limite com o município paraguaio de Pedro Juan Caballero. De acordo com as autoridades, a tatuagem do personagem Coringa no braço direito de Marcio indica que ele tinha a função de matador de policiais na quadrilha.

A ação foi realizada pela Secretaria Nacional Antidrogas (Senad) do Paraguai e pela Polícia Federal do Brasil. Além de Marcio, foram localizados outros dois brasileiros apontados como seus cúmplices: Mizael Correa Viana e Jonatan Pinheiro Rocha. Com eles foram apreendidos armas e veículos.

De acordo com a Senad, tanto Marcio quando Mizzael tinham sido presos pela Polícia Nacional do Paraguai em outubro do ano passado, quando foram flagrados com um arsenal em Pedro Juan Caballero. No dia 24 daquele mês, os dois foram entregues a autoridades brasileiras na Ponte da Amizade, que liga o Paraguao à Foz de Iguaçu, no Paraná, mas fugiram do presídio para onde foram levados.

Ainda segundo as informações da Senad, Marcio, Mizael e Jonatan voltaram à fronteira e assumiram a função de coordenar o tráfico de drogas e de armas. A Senad informou ainda que estão sendo tomadas providências para a imediata expulsão dos presos do Paraguai e entrega deles às autoridades brasileiras.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos