'Homem-aranha' do crime: Polícia investiga se episódios de furtos são feitos por um único ladrão

Após o "homem-aranha" do crime ter invadido ao menos 20 residências na Zona Norte do Rio nos últimos três meses, a Polícia Civil investiga se os furtos foram realizados por uma quadrilha ou por um único criminoso. De acordo com a 20ª DP (Vila Isabel), delegacia da área, o autor ainda não foi identificado. Seis casos já foram registrados na unidade até o começo de outubro. O apartamento do engenheiro José Roberto Moura da Silva, de 63 anos, foi alvo do "homem-aranha" na madrugada de quinta-feira. As filmagens da câmera de segurança do prédio vizinho foram requisitadas e devem ser entregues nesta segunda-feira.

O engenheiro crê que o bandido tenha entrado pelo playground do prédio, acessando seu apartamento pela porta da varanda, que estava aberta. Ele contou que o prédio tem sistema de câmeras de segurança, mas é antigo e com a definição muito ruim. Além disso, é mal distribuído, não pegando a parte por onde ele acredita que o ladrão entrou. Para ajudar na identificação do autor, as imagens do prédio em frente foram solicitadas.

José dormia com a esposa e nos quartos ao lado estavam o filho, a nora e a sogra. Só pela manhã, a família percebeu que havia sido a mais nova vítima do "homem-aranha". A invasão ao apartamento, que fica no sexto andar de um prédio na Rua Marechal Jofre, no Grajaú, ocorreu entre 1h e 4h, quando todos estavam dormindo. O engenheiro estima que o prejuízo financeiro deve ter sido em torno de R$ 20 mil.

O caso do apartamento do engenheiro não é isolado. No começo do mês, após diversos prédios serem alvos do "homem-aranha" do crime, na região, síndicos de condomínios de Vila Isabel, Tijuca, Grajaú, Maracanã e Andaraí orientaram moradores a fecharem as portas das varandas para que o ladrão não consiga entrar nos apartamentos após escalar os edifícios.

A Polícia Militar informou que entre os meses de janeiro e setembro de 2022, o 6ºBPM (Tijuca) efetuou 330 prisões na área de policiamento da unidade. Informou ainda que as ações ostensivas do batalhão, como rondas e abordagens, contam com reforço do Batalhão de Polícia de Choque e do Batalhão de Rondas Especiais e Controle de Multidão (RECOM).

Em relação aos furtos, alega que que as medidas para reduzir a incidência não podem se limitar ao policiamento ostensivo em vias urbanas. Segundo a PM, a legislação penal vigente tem favorecido a reincidência desses crimes. A título de ilustração, cita que durante o ano de 2021, os policiais militares efetuaram 170 prisões de pessoas envolvidas em furto, sendo que 90% dos detidos retornaram às ruas dias depois após as audiências de custódia.

A PM mostra ainda que os dados estatísticos do Instituto de Segurança Pública (ISP) apontam que houve redução de aproximadamente 34% no indicador roubo a residência quando comparados os períodos de janeiro-setembro de 2022 e janeiro-setembro de 2021 na área de policiamento do 6ºBPM. Na comparação entre setembro de 2022 e setembro de 2021, o indicador estratégico de roubo de veículo teve queda de 19%, diz a nota.