Homem é autuado após colocar manequim em praia fechada para enganar fiscalização em SP

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Manequim foi colocado para enganar fiscalização - Foto: Reprodução/Twitter
Manequim foi colocado para enganar fiscalização - Foto: Reprodução/Twitter
  • Homem colocou manequim vestido para se passar por banhista enquanto a praia estava fechada por conta da Covid-19

  • Câmeras de monitoramento foram utilizadas para identificar o rapaz, que foi autuado

  • Ele responderá pelo ato e pode pegar pena que varia de multa a um ano de prisão

Um homem foi autuado por fazer uma “pegadinha” e tentar enganar a Guarda Civil de Praia Grande, em São Paulo, durante o período de isolamento na cidade por causa da Covid-19. Ele foi identificado pelas câmeras de monitoramento e terá de responder pelo ato, de acordo com informações do G1.

Leia também

A ação foi filmada pelo próprio responsável, que não teve a identidade revelada, e viralizou nas redes sociais. O vídeo mostra o manequim vestido e usando um chapéu na orla durante período no qual a praia estava fechada. Um carro da Guarda Civil Municipal se aproxima do objeto e, após os agentes notarem que não se tratava de uma pessoa, deixa o local.

“No caso do manequim, localizamos imagens do momento em que um rapaz entra na praia com o boneco e pouco tempo depois conseguimos identificá-lo", explicou o o secretário de Assuntos de Segurança, Maurício Vieira Izumi.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Pena máxima é de detenção de um ano

Segundo o delegado do 1º DP da Cidade, Flávio Magário, o homem foi autuado em boletim de ocorrência por infração de medida sanitária preventiva e contravenção penal de falso alarme, ficando sujeito às penalidades da lei, que incluem detenção de um mês a um ano e multa.

“Ainda que ele não pretendesse infringir a medida imposta, mas sim ‘fazer graça', e com isso, empenhar uma viatura da GCM que está à disposição do munícipe para atender uma brincadeira. É inacreditável que em um momento de tamanha consternação pela perda de várias vidas inocentes, de pessoas aguardando a vacina, uma pessoa decida fazer piada com a vida alheia”, afirmou.