Homem contratado para matar forja homicídio com ketchup

Redação Yahoo! Brasil

O baiano Carlos Roberto de Jesus teve um plano inusitado para enganar a mandante de um crime do qual ele seria o executor. O caso veio à tona quando Maria Nilza Pereira Simões procurou a delegacia de polícia de Pindobaçu, município a 400 km de Salvador, para registrar que R$ 1 mil teriam sido roubados em um assalto. Ao ouvir o suspeito, a polícia descobriu que a mulher havia sido trapaceada pelo ex-presidiário. As informações são do telejornal “Bahia Meio Dia”, da TV Bahia.

Maria Nilza pagou o valor de R$ 1 mil para que Carlos Roberto matasse Erenildes Aguiar de Araújo, mas ele conhecia a vítima e armou uma estratégia para não cometer o assassinato. O homem entrou em contato com a mulher que seria morta e eles armaram um plano.

Carlos levou a vítima para um matagal, amarrou suas mãos e pés com uma corda e a amordaçou. Então, deu o toque final para que a cena parecesse real: espalhou ketchup por todo o corpo de Erenildes e “fincou” um faca entre o peito esquerdo e o braço. Com tudo pronto, Carlos Roberto tirou uma fotografia do "crime" e entregou à Maria Nilza como prova do serviço.

Dias depois de receber a foto, a mandante do crime viu a mulher que deveria estar enterrada aos beijos com o matador, em uma feira da cidade.

A notícia do caso, que aconteceu em 24 de junho, foi divulgada na semana passada pela polícia da cidade. Segundo o delegado Marconi Almino de Lima, o homem disse que teria aceitado o serviço porque estava desempregado.

Ninguém está preso, mas os três envolvidos respondem a processos na Justiça. Maria Nilza responde por ter encomendado o crime, enquanto Carlos Roberto responde por crime de extorsão e Erenildes por co-participação na trama.


Siga o Yahoo! Notícias no Twitter e no Facebook