Homem dá tapa no presidente francês durante visita ao sudeste do país

·2 minuto de leitura
O presidente Emmanuel Macron fala com jornalistas durante visita a uma escuela em Tain l'Hermitage, em 8 de junho

Um homem deu um tapa no presidente francês Emmanuel Macron durante uma visita nesta terça-feira (8) à cidade de Tain-l'Hermitage (sudeste), um gesto condenado pela classe política de um país cada vez mais tenso à medida que se aproximam as eleições presidenciais de 2022.

De acordo com as imagens de um vídeo postado no Twitter, Macron se aproxima de um grupo de pessoas e fala com um homem, que agarra seu antebraço e parece dar um tapa nele. A equipe do presidente evocou "uma tentativa de agressão".

No mesmo vídeo, pouco antes do incidente, é possível ouvir grito de guerra monarquista "Montjoie Saint Denis!" e também "Abaixo a macronia!"

Dois homens de 28 anos, sem antecedentes criminais, foram presos, informou o promotor Alex Perrin, que garantiu que suas motivações são desconhecidas no momento.

"Por volta das 13h15 (8h15 de Brasília), o presidente entrou em seu carro após uma visita a uma escola secundária e saiu porque as pessoas presentes o chamavam. Ele foi em direção a elas e nesse momento ocorreu o incidente", explicou a prefeitura do Drôme.

"O homem que tentou agredir o presidente e outro indivíduo estão sendo interrogados pela brigada da gendarmaria de Tain-L'Hermitage", disse, sem dar informação sobre a identidade da dupla.

O chefe de Estado, que iniciou na quarta-feira um giro pelo país depois de um ano de crise de saúde e faltando um ano para as próximas eleições presidenciais, continuou com a visita, indicaram fontes da presidência.

As reações da classe política não tardaram a chegar. O primeiro-ministro Jean Castex tomou a palavra na Assembleia Nacional para condenar a tentativa de agressão.

"A política não pode ser a violência, a agressão verbal e menos ainda a agressão física", disse Castex.

Os líderes da oposição também condenaram o ataque.

"É inadmissível agredir fisicamente o presidente da República, os líderes políticos, mas ainda mais o presidente", declarou Marine Le Pen, candidata de extrema direita à presidência.

"Me solidarizo com o presidente", disse o candidato presidencial de esquerda Jean-Luc Mélenchon em sua conta no Twitter.

Este incidente ocorre em um clima cada vez mais tenso na França, onde os insultos e ataques verbais se multiplicam.

Mélenchon provocou polêmica por comentários considerados conspiratórios e vinculando o terrorismo às eleições, sugerindo que os atentados beneficiavam os políticos.

Essas declarações indignaram as famílias das vítimas e a classe política, mesmo da esquerda.

O candidato denunciou uma "manipulação" de suas palavras e tentou desviar a atenção para um vídeo de um 'youtuber' - posteriormente removido - que simula o assassinato de um membro de seu partido.

Minutos antes de ser agredido, Emmanuel Macron apelou a "que todos respeitem e se acalmem para não enfraquecer a democracia".

Ataques físicos a presidentes são raros na França. O mais sério nas últimas décadas remonta a 2002, quando um militante de extrema direita tentou matar Jacques Chirac a tiros durante a parada militar em 14 de julho.

jmt/jk/sr/zm-tjc/mb/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos