Homem é condenado a 17 anos de prisão após matar ex-namorada com 57 facadas

Homem foi condenado pelo assassinato de Drielle - Foto: Arquivo Pessoal
Homem foi condenado pelo assassinato de Drielle - Foto: Arquivo Pessoal
  • Homem foi condenado a mais de 17 anos de prisão após assassinar uma ex-namorada a facadas

  • Ele não aceitava o término do relacionamento com a vítima

  • Rapaz desferiu quase 60 facadas na mulher e desovou seu corpo próximo ao metrô

Um homem foi condenado a 17 anos de prisão após assassinar a ex-namorada a facadas no fim do ano passado. A decisão foi tomada pelo Tribunal do Juri de Samambaia, no Distrito Federal, na última sexta-feira (26).

Juvenilton Aquino da Costa pegou 17 anos, 2 meses e 8 dias de cadeia pelo feminicídio praticado contra Drielle Ribeiro da Silva, de 34 anos, em dezembro passado.

Segundo informações do portal Metrópoles, o criminoso terá de cumprir a pena em regime fechado, sem direito a recorrer da sentença em liberdade, após desferir 57 facadas na vítima.

Ao definir a pena, a juíza presidente do júri destacou as consequências do crime, que deixou órfão o filho de 7 anos de Drielle. "A subtração precoce do convívio da criança com a mãe, como no caso, significa privá-la do afeto, cuidados e assistência tão essenciais na especial fase de desenvolvimento psicológico que é a infância."

Relembre o crime

Juvenilton perseguia Drielle por não aceitar o término do relacionamento. Em 6 de dezembro de 2021, ele desferiu quase 60 facadas na vítima e desovou seu corpo próximo ao metrô da cidade, antes de fugir na moto do irmão.

Drielle havia registrado ao menos dez ocorrências contra o ex-companheiro antes de morrer. Na primeira, ela o acusou de queimar sua moto, no dia 30 de dezembro de 2018. Naquele dia, Juvenilton estava bastante alcoolizado e iniciou uma briga com ela. A mulher, então, arremessou uma cerveja no rosto do agressor, que passou a persegui-la com garrafas na mão.

Depois desse incidente, a Drielle pediu medidas protetivas contra Juvenilton. No entanto, em abril de 2020, ele tentou atropelar a vítima em frente a casa onde ela vivia com o irmão.